08/12/2022
 
 
Governo. Secretário de Estado do Mar investigado pelo MP

Governo. Secretário de Estado do Mar investigado pelo MP

Jornal i 22/11/2022 08:28

José Maria Costa está a ser investigado na qualidade de ex-presidente da câmara de Viana do Castelo.

A Câmara de Viana do Castelo está a ser investigada pelo Ministério Público (MP) por suspeita de violação da lei da contratação pública em ajustes diretos. De acordo com o CM, o atual secretário de Estado do Mar,  José Maria Costa, que foi presidente da autarquia entre 2009 e 2021, será um dos “principais visados na investigação”. 

Segundo o mesmo jornal, o município terá feito em 2018 “alegados ajustes diretos e concursos públicos ilegais de quase 5,5 milhões de euros”, tendo sido aberto um inquérito na sequência de denúncias feitas ao MP.

“Confirma-se a existência de investigações à Câmara Municipal de Viana do Castelo relacionadas com contratação pública, as quais se encontram sujeitas a segredo de Justiça. Não há arguidos constituídos”, adiantou a Procuradoria-Geral da República em resposta às questões levantadas por aquele jornal.

A violação da lei da contratação pública terá ocorrido desde 2014, cinco anos após José Maria Costa ter tomado posse como presidente do município.

Umas das denúncias enviadas ao MP, cita o CM, refere que “a Câmara Municipal de Viana do Castelo tem, ao longo dos últimos anos, vindo a viciar reiteradamente os princípios da contratação pública nas aquisições de bens e serviços e empreitadas”. Por exemplo, “terão sido adjudicados contratos por ajuste direto com valores acima do previsto na lei e não terá sido designado júri, nem serviços, para conduzir os procedimentos com vista à formação dos contratos de consulta prévia ou concurso público”.

Segundo a denúncia, a violação da lei da contratação pública põe em causa “os princípios da concorrência, da igualdade e da imparcialidade”, bem como “o interesse público municipal, na vertente económico-financeira, uma vez que ao não criar condições para que a formação do preço ocorra em ambiente concorrencial não garante que a prestação seja adjudicada ao melhor preço”.

O atual presidente da Câmara de Viana do Castelo confirmou ainda que a Polícia Judiciária (PJ) pediu esclarecimentos à autarquia há mais de um mês, “sobre um processo de obras particular”. Ao CM, Rui Nobre adiantou que não foram feitas buscas ao município, mostrando-se convicto de que a PJ não encontrou nada de suspeito após os esclarecimentos prestados pela autarquia.

Este é mais um processo judicial a manchar o Governo, depois do caso de Miguel Alves, que se demitiu do cargo de secretário de Estado Adjunto do primeiro-ministro, após ter sido acusado do crime de prevaricação pelo MP, no âmbito de um processo relacionado com, pelo menos, dois contratos que assinou enquanto presidente da Câmara de Caminha.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


Especiais em Destaque

iOnline

iOnline
×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline