29/11/2022
 
 

"Fog of war"

“Farejar a verdade” sobre o que se passou na localidade polaca de Przewodów é fundamental para evitar arrastar o mundo para um conflito global.

Muitos argumentaram que o caminho da globalização era o travão máximo para o isolacionismo e, consequentemente, a impossibilidade de nacionalismos extremados, tal seria a evidência de que a aproximação e a interdependência dos povos retirava qualquer espaço para um conflito global.

E depois a Rússia invadiu a Ucrânia.

A incerteza da guerra na Ucrânia tem gerado em muitos o pânico do alargamento do conflito à dimensão mundial, arrastando o mundo inteiro para um período negro da sua história, coartando sonhos de prosperidade e harmonia.

 Essa ansiedade ganhou intensidade no passado dia 15 de novembro, quando dois mísseis de fabrico russo caíram na Polónia, destruindo e matando.

Rapidamente os arautos da desgraça encontraram terreno fértil para promoverem mensagens apocalípticas, procurando incutir o medo da aproximação do dia do juízo final.

Porém, exige-se mais responsabilidade. Exige-se mais humanidade.

Exige-se, sobretudo, clareza no esclarecimento público e inteligência na decisão política.

 Por isso urge olhar para esse trágico episódio ocorrido na Polónia e explicar que o dia 15 de novembro não é o início do fim do mundo.

E porquê?

Já no início do século XIX Carl von Clausewitz, importante estratega militar, mas também filósofo, escreveu uma obra fantástica chamada “Vom Kriege” (“Da Guerra”), onde associava guerra e política, ficando célebre uma das suas frases: “A guerra é a continuação da política por outros meios”.

O desenvolvimento da guerra é, na sua essência, uma tentativa de alcançar objetivos concretos através da execução de movimentos militares precisos. Porém, a guerra também é incerteza, também é caos.

 Carl Von Clausewitz identificou nessa incerteza o que mais tarde veio a ser designado como “Fog of War”, escrevendo que “A guerra é o reino da incerteza; três quartos dos fatores em que se baseia a ação na guerra estão envoltos em uma névoa de maior ou menor incerteza. É por isso fundamental um julgamento sensível e discriminador, bem como uma inteligência hábil para farejar a verdade.”

 E “farejar a verdade” sobre o que se passou na localidade polaca de Przewodów é fundamental para evitar arrastar o mundo para um conflito global.

 É por isso que temos de saber impor contenção e verdade aos decisores políticos que influem diretamente neste processo, mas também a alguns órgãos de comunicação social que na sede de captar audiências propagam medo e ansiedade.

Todos os líderes mundiais têm de compreender que, neste caso, não existiu intenção russa de atacar território polaco, tornando desnecessárias as palavras de Biden: nenhum centímetro quadrado de território da NATO foi alvo de agressão.

E se se confirmar que a queda desses mísseis foi um resultado da incerteza que resulta da sua interseção por defesas ucranianas, então por muito que queiramos castigar Putin pela barbárie que está a impor à Ucrânia e ao Mundo, não o façamos com base em falsos argumentos ou imprecisões factuais.

Se o fizermos estamos a usar a mesma narrativa pela qual condenámos Putin aquando da invasão da Ucrânia e não estaremos a cumprir com a elevação moral que nos dá a força para tentar sanar este conflito.

E sobretudo porque não queiramos ignorar Carl von Clausewitz, permitindo que o “Fog of War” seja motivo para que a ação ocidental na Ucrânia consubstancie a ideia de que esgotámos a nossa capacidade política de promover a paz, dando oportunidade a que, uma vez mais, “a guerra seja a continuação da política por outros meios”.

 

Presidente da concelhia do PSD/Lisboa e presidente da Junta de Freguesia da Estrela

Os comentários estão desactivados.


Especiais em Destaque

iOnline

iOnline
×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline