08/12/2022
 
 
Qatar. Shakira também não vai atuar no Mundial, diz imprensa espanhola

Qatar. Shakira também não vai atuar no Mundial, diz imprensa espanhola

Redação 16/11/2022 13:26

Cantora tomou mesma posição que Dua Lipa e Rod Stewart, que rejeitara propostas milionárias para atuarem no evento desportivo.

A tradição pode ter chegado ao fim. Tudo apontava para que Shakira fosse a cabeça de cartaz da cerimónia de abertura do Campeonato do Mundo de 2022, que começa no domingo, no Qatar, como aconteceu em edições anteriores.

No entanto, tendo em conta a controvérsia à volta do evento desportivo, a cantora, de origem colombiana, terá mudado de ideias e não vai dar o arranque ao Mundial.

A notícia foi avançada no “El Programa de Ana Rosa”, em Espanha. "Foi-me confirmado que Shakira não estará na cerimônia da abertura, mas não me disseram se ela terá outro papel durante o Campeonato do Mundo", disse a jornalista Adriana Dorronsoro.  

Já Sandra Aladro, do programa espanhol "Telecinco", disse que falou com representantes da artista e que estes confirmaram que a cantora "não irá". “Seria artista convidada, agora vai ter que mandar um depoimento a explicar toda a situação", afirmou a jornalista espanhola.

Uma das razões para a sua alegada desistência estará relacionada com a pressão dos fãs, que, à semelhança de outros artistas, a criticaram na sequência de várias polémicas que o Qatar está a ser alvo, devido à posição do país em relação a vários direitos humanos, nomeadamente com a morte de vários milhares de trabalhadores na construção dos estádios que acolherão o evento e aos ataques à comunidade LGBT. 

No início desta semana, Dua Lipa veio pôr fim aos rumores sobre a sua possível atuação na cerimónia de abertura do Campeonato do Mundo de Futebol, anunciando que não estará envolvida no evento. 

Rod Stewart também revelou ter rejeitado uma proposta de um milhão de euros para atuar no evento.  

Em entrevista ao jornal “The Times”, questionado sobre a possibilidade de tocar ‘The Killing of Georgie’, tema sobre o assassinato de um amigo gay, Stewart respondeu: “Isso teria sido giro. Ofereceram-me muito dinheiro, na verdade. Um milhão de euros para ir lá tocar, há uns 15 meses. E eu disse que não”, revelou. “Não seria certo ir. E os iranianos também não deveriam poder ir, por andarem a dar armas [à Rússia, na guerra contra a Ucrânia]”, acrescentou. 

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


Especiais em Destaque

iOnline

iOnline
×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline