28/09/2022
 
 
"Remendos", "insuficiente", "ilusão", "modesto". As críticas da oposição às medidas de apoio às empresas

"Remendos", "insuficiente", "ilusão", "modesto". As críticas da oposição às medidas de apoio às empresas

Joana Mourão Carvalho 15/09/2022 18:22

A análise geral dos partidos da oposição é de que as medidas anunciadas pelo Governo são insuficientes. À esquerda critica-se ainda a recusa do Executivo de António Costa em taxar os lucros excessivos das grandes empresas.

Sem grandes surpresas, a análise dos partidos da oposição sobre o pacote de apoios às empresas anunciado pelo Governo é semelhante à que fizeram há duas semanas sobre as medidas para as famílias. O consenso geral é que as medidas não passam de “remendos” e “ilusões” que não respondem às dificuldades do setor empresarial.

“Este é um pacote de remendos que nada faz para solucionar nem os problemas conjunturais que as empresas têm nem os problemas estruturais. Grande parte são medidas recicladas que só vão aumentar o endividamento do setor empresarial”, afirmou Carlos Guimarães Pinto.

Na ótica do deputado da Iniciativa Liberal, o foco do Executivo socialista deveria estar em reformas estruturais que “permitam às empresas serem suficientemente sólidas para não estarem sempre de mão estendida perante o Estado”. 

“As empresas não precisam de esmolas, de ajudas. Precisam que as deixem crescer sozinhas sem que o Estado se apresente como um entrave a esse crescimento”, frisou, defendendo que as empresas precisam é de ter menos dificuldades de “regulação, burocracia e fiscais”, para que “se possam capitalizar nos tempos bons para fazerem face aos períodos maus”.

Pelo PSD, Paulo Rios de Oliveira mostrou-se desiludido, considerando que “a montanha pariu um rato” e que o partido “fez a sua parte” ao apresentar medidas alternativas. 

“O pacote do Governo em bom rigor é constituído maioritariamente por empréstimos, sempre a reboque daquelas expressões que os socialistas gostam de usar, um nome bonito como ‘Energia para Avançar’ e depois algo para a formação, para o transporte, para as linhas de apoio, mas na realidade deveriam estar mais preocupados na abrangência, porque o que era urgente para alguns, neste momento é urgente para todos”, alertou o deputado.

Os sociais-democratas esperavam também que o Governo utilizasse “de forma ambiciosa” os impostos que está a arrecadar com o aumento da inflação.

Também o Chega lamentou que o Governo tenha anunciado “poucos apoios novos” para as empresas, considerando que se limitou a aumentar os que já existem e a avançar com medidas “mais do mesmo”.

“O Governo faz uma apresentação de remendos e de truques para maquilhar aquilo que é a verdade”, traçou o líder do partido, salientando que o pacote em questão traduz-se em “pequenos aumentos de linhas de apoio que já existem”.

“Tirando o apoio à formação, o pacote que é apresentado significa muito pouco nas contas finais da maior parte das empresas”, afirmou André Ventura, salientando que “a maior parte do universo empresarial português fica de fora destes apoios”. 

À esquerda, o PCP considerou que se trata de um “pacote insuficiente” por não considerar as micro, pequenas e médias empresas “nem avançar com medidas concretas para controlar e fixar os preços da energia''. 

Para a líder parlamentar comunista, “não tabelar os preços significa na prática a subsidiação dos grupos económicos no setor energético”. Paula Santos registou ainda “a resistência do Governo em tributar os lucros dos grandes grupos económicos” e acusou o Executivo de configurar uma “ilusão ao fazer referência ao montante global do pacote quando mistura linhas de crédito com apoios a fundos perdidos”. 

Já o Bloco de Esquerda registou que as medidas são “muito curtas”, considerando que a maior parte são “recauchutagem de medidas que já existem e com pouca capacidade para chegar às pequenas empresas que estão com maiores dificuldades”.

Em declarações aos jornalistas, a coordenadora bloquista criticou o Governo por dar “apoios em miniatura” enquanto recusa taxar os lucros excessivos.

“Bem sei que os recursos do Estado não são infinitos, mas então não se percebe porque é que o Governo decide condenar as famílias e as pequenas empresas enquanto continua a recusar taxar os lucros excessivos que é uma medida que se pede por toda a Europa”, apontou.

Catarina Martins disse que é “absolutamente inaceitável e incompreensível” que as grandes empresas não sejam chamadas a fazer os mesmos esforços que o resto do país, acrescentando que o primeiro-ministro António Costa ainda não deu “um único argumento” para se recusar a taxar os lucros extraordinários. “O Governo comporta-se como advogado da Galp ou da EDP”, atirou.

“Quando falamos em lucros excessivos são lucros já depois do pagamento de todos os impostos. Estas grandes empresas fizeram 6 mil milhões de euros de lucro à custa dos salários e das pequenas empresas que estão estranguladas. Cada dia que a medida se atrasa é um dia em que há cada vez mais lucros e em que as grandes empresas podem estar seguras que não acontece nada”, continuou a líder do BE.

Rui Tavares, do Livre, também considerou “incompreensível o anúncio de um pacote tão modesto de apoio”. Para o deputado único “o apoio às empresas pode ir buscar o excedente do IVA, a folga que existe nas regras europeias e nos lucros excessivos das empresas e pode ter o dobro ou triplo do tamanho”, segundo as contas do partido.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline