28/09/2022
 
 
Importações. Compras da UE à Rússia aumentaram 70% até julho

Importações. Compras da UE à Rússia aumentaram 70% até julho

Jornal i 15/09/2022 12:12

Balança comercial externa da zona euro com défice de 34 mil milhões no mês de julho. UE registou um défice recorde de 42,3 mil milhões.

A zona euro registou um défice de 34 mil milhões de euros na balança comercial externa de bens em julho, contra um excedente homólogo de 20,7 mil milhões de euros. Os dados foram anunciados esta quinta-feira pelo Eurostat.

Mas vamos a números. De acordo com os dados provisórios do gabinete de estatística europeu, as exportações de bens da zona euro para o resto do mundo totalizaram 235,5 mil milhões de euros, um valor que representa uma subida de 13% face a julho de 2021.

Já as importações na zona euro aumentaram 44% para os 269,5 mil milhões de euros.

Como resultado, a zona euro registou um défice de 34 mil milhões de euros no comércio de mercadorias com o resto do mundo em julho, em comparação com um superávit de 20,7 mil milhões de euros em julho de do ano passado. Dentro da zona euro, o comércio subiu para 224,8 mil milhões de euros, um aumento de 24% em comparação com julho de 2021.

No que diz respeito à União Europeia foi registado um défice de 42,3 mil milhões de euros no comércio externo de bens, em julho, contra um excedente homólogo de 15,6 mil milhões de euros. Por sua vez, as exportações da UE aumentaram 12,8%, para os 211,6 mil milhões de euros, e as importações de bens subiram 47,6%, totalizando 253,8 mil milhões de euros.

Nesse mês, quando comparado com o mesmo mês de 2021, todos os Estados-Membros registaram um aumento das exportações extracomunitárias, exceto Malta (-1,2%) e Irlanda (-1,1%). Por outro lado, os maiores aumentos foram registados na Eslovénia (+57,3%) e na Grécia (+56,2%).

No que diz respeito às importações extracomunitárias, o quadro é semelhante: comparando com julho de 2021, todos os Estados-Membros registaram aumentos nas importações extracomunitárias, exceto Letónia (-17,9%) e Luxemburgo (-9,1%). Os maiores aumentos foram observados no Chipre (+101,8%), Croácia (+98,4%) e Bulgária (+92,1%).

Fazendo as contas aos primeiros sete meses do ano, as exportações de bens da zona euro para o resto do mundo subiram para 1628,5 mil milhões de euros, o que representa um crescimento de 17,9% em relação a janeiro-julho de 2021 e as importações subiram para 1805,9 mil milhões de euros, o que representa um aumento de 43,4% quando comparado com janeiro-julho de 2021. Isto significa que a zona euro registou, neste período, um défice de 177,4 mil milhões de euros, comparado a um superávit de 121,3 mil milhões de euros em janeiro-julho de 2021.

Onde se compra mais? É na China e nos Estados Unidos que os países do bloco mais compram. Mas, no que diz respeito ao top 5, o maior crescimento registado até julho foi no comércio com a Rússia (70%). Nesse período, a Noruega teve um disparo de 150,9%. No que diz respeito às importações, juntam-se ainda países como Turquia, Japão, Coreia do Sul e Índia. 

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline