07/10/2022
 
 
Escassez. Há sítios onde tem faltado gás para a cerveja à pressão

Escassez. Há sítios onde tem faltado gás para a cerveja à pressão

Na região de Aveiro, há quem se queixe da dificuldade em comprar gás para servir bebidas à pressão. Não é, no entanto, uma realidade transversal, já que há locais que não sentem essa dificuldade.

Sabia que o CO2 é um gás fulcral para fazer chegar à mesa uma das bebidas mais populares do mundo, principalmente no verão? A procura por cerveja aumenta, e no momento de incerteza que se vive graças à invasão russa da Ucrânia, até a bebida milenar pode ficar em causa, ou pelo menos a sua versão ‘à pressão’.

O i apurou que, pelo menos na região de Aveiro, alguns restaurantes e alguns estabelecimentos estão a ter dificuldades em adquirir as garrafas de gás CO2 necessárias para servir a cerveja à pressão que, no Norte, é apelidada de ‘fino’, e no Sul de ‘imperial’.

“Tenho sete barris de cerveja no armazém que não consigo tirar, porque não arranjo as garrafas de gás”, desabafa ao i o proprietário de um restaurante da cidade, que diz estar certo de que a situação se repete noutros locais, e que até já teve de “pedir emprestada uma garrafa de gás para poder tirar as cervejas”.

O mesmo proprietário – que garante conhecer vários outros locais da cidade que estão a ter o mesmo problema – argumenta que esta é uma escassez resultante, segundo fonte do setor lhe garantiu, do aumento da procura por este gás durante os últimos meses, com o regresso dos eventos em grande escala como casamentos e festivais, que levou a uma falta de garrafas para transportar esse mesmo gás.

Informação corroborada pela Sociedade Central de Cervejas (SCC), grupo que engloba as marcas Sagres, Cergal e Heineken, que garantiu, ao i, que ”o que pode eventualmente acontecer, nesta altura de pico, são limitações pontuais de transportes em alguma zonas, que dificultem a boa rotação de vasilhame”. Na fábrica, no entanto, “a SCC não tem qualquer problema com disponibilidade de CO2.

 

Gestão

“Nós nunca chegamos à rutura de stock, nunca ficamos sem gás, mas se antes tínhamos uma garrafa [de gás] de reserva, agora não tivemos, porque não está a ser entregue”, revela ao i outra fonte do setor, Miguel Miranda, o homem por trás dos restaurantes Un Poco Loco e Mamaroma, ambos em Aveiro. “Estamos a falar de CO2, que até em teoria nem devia ser difícil de obter”, lamenta, revelando: “Não sei exatamente o que se está a passar”. “Eles têm andado a fazer uma gestão mais cautelosa e criteriosa de onde colocam o gás”, explica, sobre os fornecedores.

 

Cerveja

Esta não é, no entanto, ainda uma realidade transversal, pois, ao que o i conseguiu apurar, pelo menos nesta cidade, a maioria dos cafés e bares da zona da Praça do Peixe – local de descanso e de relaxamento para os turistas que a visitam – o que não faltava eram cervejas e outras bebidas à pressão.

“Não tem havido problema em comprar, e de qualquer forma tenho ali várias de reserva”, confessa ao i um proprietário de um bar neste local, onde a dificuldade em adquirir o gás tão essencial para servir uma cerveja à pressão não parece ser uma realidade.

E que o diga fonte da Vadia, produtora artesanal de cerveja localizada em Oliveira de Azeméis, distrito de Aveiro. “Neste momento ainda não sentimos essa dificuldade [na compra das garrafas de gás]. Porém, o que notamos é um aumento dos preços uma vez que é preciso bastante energia para produzir CO2 e N2. Os preços praticamente aumentaram de 50% quando comparados com 2020”, revelou fonte da cervejeira ao i.

 

Recuperação da pandemia ainda não se fez

É claro que a pandemia afetou todos os setores e o cervejeiro não ficou de fora. Recentemente, a Brewers of Europe, a associação europeia do setor, destacou “consequências dramáticas” e deu números: no final do ano passado, o consumo mantinha-se 8% abaixo do período pré-pandemia. Já o emprego estava 11,5% abaixo e a riqueza gerada foi de menos 10%, com as receitas a caírem também.

O relatório revela que, em 2021, houve uma recuperação, mas o setor cervejeiro viu apenas aumentos moderados nas vendas de cerveja, uma vez que não conseguiu voltar aos níveis pré-pandemia.

Os números do ano passado mostram que a cerveja “tem um forte potencial para impulsionar a recuperação da Europa, com o crescimento moderado” ajudando ainda a recuperar mais de metade dos empregos perdidos.

Mas vamos a números. O segmento dos bares, restaurantes e eventos foi aquele que mais sofreu, com vendas totais de 78 milhões de hectolitros, menos 42 milhões, do que em 2019, uma quebra de 35%.

No total, os europeus beberam 342 milhões de hectolitros de cerveja em 2021, mais oito milhões do que no ano anterior mas, ainda assim, 8% abaixo do valor de 2019.

Pierre-Olivier Bergeron, secretário-geral da The Brewers of Europe, defende que o relatório mostra que “há sinais positivos para o setor cervejeiro, mas é preciso fazer mais”. “Este ainda é um momento difícil para os setores cervejeiro e hoteleiro e não podemos dar nada como garantido. Os cervejeiros passaram por tempos difíceis, que estão a durar muito mais do que se esperava. Recuperámos apenas parte do que perdemos”, disse.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


Especiais em Destaque

iOnline
×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline