12/08/2022
 
 
China furiosa com possível visita de Nancy Pelosi a Taiwan

China furiosa com possível visita de Nancy Pelosi a Taiwan

Redação 02/08/2022 09:35

Pequim, para quem Taiwn é um assunto sensível, ameaçou que os seus militares não vão ficar parados.

O regime chinês está furioso com os planos de Nancy Pelosi para visitar Taiwan. Caso a presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos mantenha a sua decisão de visitar o território reivindicado por Pequim, as forças armadas chinesas “não vão ficar de braços cruzados”, chegou a ameaçar o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Zhao Lijian, esta segunda-feira. O mar da China é há muito apontado por analistas como uma das regiões onde há maior risco de deflagrar uma terceiro conflito mundial - desde fevereiro que a Ucrânia passou a fazer-lhe concorrência, claro.

Pelosi, apesar dos riscos, continuou a mostrar-se decidida em incluir Taiwan no seu périplo pela Ásia, avançou a CNN. Estando o departamento da Defesa americano a trabalhar a todo o vapor para assegurar a sua segurança, apesar deste território não estar incluído no itinerário oficial da dirigente democrata.

Caso vá para a frente com a sua viagem, Pelosi seria a primeira presidente da Câmara dos Representantes a visitar Taiwan em mais de 25 anos. Ainda para mais fazendo-o no momento em que a relação entre Washington e Pequim está particularmente tensa. E não só devido à China ser acusada de ajudar a regime russo, seu aliado, a contornar as sanções ocidentais.

Dificilmente o regime liderado por Xi Jinping poderia ignorar uma aproximação dos EUA a Taiwan. Este território, que desde que Mao Tsé-Tung tomou o poder, em 1949, se tornou último refúgio dos derrotados da guerra civil, tem uma importância simbólica enorme para a linha dura do partido comunista. Além de se ter transformando num colosso da produção de chips, cruciais para toda a produção industrial moderna.

Se Pelosi for a Taiwan, “a China terá respostas resolutas e fortes contramedidas para defender a sua soberania”, salientou Lijian. “Quanto a essas medidas, se ela se atrever a ir, então esperem para ver”, rematou.

Já a Casa Branca mostrou apoio à iniciativa da presidente da Câmara dos Representantes. “Não há razão para a retórica chinesa. Não há razão para quaisquer ações serem tomadas”, salientou John Kirby, membro do Conselho Nacional de Segurança, tentando deitar alguma água na fervura

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline