30/11/2022
 
 
Super Bock Super Rock. C. Tangana, o mundo a seus pés

Super Bock Super Rock. C. Tangana, o mundo a seus pés

Super Bock Super Rock / C. Tangana Hugo Geada 16/07/2022 04:05

O artista espanhol superou todas as expetativas da sua atuação no festival Super Bock Super Rock, num dia em que Nathy Peluso também não deixou nenhum espetador indiferente.

Qualquer adjetivo que ouçam os vossos amigos ou seguidores da internet a usar para descrever C. Tangana que possam pensar que é um exagero, não é. O concerto foi realmente assim tão bom.

Passamos a explicar. Antón Álvarez Alfaro, alter-ego de C. Tangana, é um rapper espanhol que fez a sua fama a criar rap e trap no seu país de origem. Contudo, no ano passado, após lançar o seu segundo disco, El Madrileño, um álbum que usa expressões artísticas contemporâneas, como os géneros musicais acima citados, com os mais variados estilos musicais da história da Espanha, desde o tango, flamenco, à música cigana, que o artista foi elevado a um dos mais criativos músicos da sua geração.

A sua fama só foi ainda mais catapultada depois de este ter criado um vídeo para a série de concertos da NPR Music, o Tiny Desk, onde músicos criam versões mais íntimas das suas canções, onde o seu trabalho se tornou viral e foi visto por mais de 33 milhões de pessoas.

Porque é que é importante explicar todo este contexto, pergunta o leitor? Ora, este vídeo criou expectativas irrealistas em alguns fãs que não acreditaram que alguma vez pudessem ver o Tangana a atuar ao vivo sentado numa mesa rodeado por alguns dos convidados deste vídeo, como La Húngara ou ou Niño de Elche. Mas o cantor espanhol não só dissipou estas dúvidas, como as superou, ao trazer ainda mais convidados e mais mesas para o seu espetáculo.

Os fãs responderam da melhor maneira entregando-se à camaradagem que todos os artistas exibiam em palco, como cantando e dançando todas as músicas do artista, desde os êxitos do seu mais recente álbum, como Demasiadas Mujeres ou Ingobernable, mas também os seus raps que marcaram o início da sua carreira, como Llorando en la limo, partindo inclusive para o moche em algumas secções do público durante as suas músicas mais coladas ao rap, e também durante uma adaptação do clássico dos New Order, Bizarre Love Triangle, que serviu de intervalo no medley que juntou ainda Los Tontos e Alegría de Vivir.

 Apesar de ser claramente a grande estrela em palco, tendo inclusive um “número”, onde dançou em cima da mesa onde se sentavam os seus companheiros, Tangana não se importava de partilhar o holofote das atenções com todos os músicos com quem partilhou palco e com uma cinematografia digna de um musical ou de tentar rivalizar um filme como o Stop Making Sense dos Talking Heads, o concerto ficará na mente de todas as pessoas que assistiram ao espetáculo e, certamente, aguardarão por um rápido regresso a Portugal para repetir toda esta celebração que ocorreu no Altice Arena,

Antes do músico espanhol, a música latina também dominava o maior palco do Super Bock Super Rock, com Nathy Peluso, cantora e produtora de origem argentina, a revelar a sua capacidade para ser uma das mais energéticas e carismáticas frontwoman da sua geração.

Com um set que também explorou as potencialidades das tradições da música latina com estilos contemporâneos, desde o hip-hop ou o R&B, Peluso deixou parte da sua incansável energia em palco, não só em danças e a vociferar as canções, mas também com exercícios físicos, por exemplo a saltar à corda, a artista satisfez todas as necessidades das pessoas que se dirigiram ao Altice Arena, com uma grande variedade de linguagens musicais, desde o rap de Nathy Peluso: Bzrp Music Sessions, Vol. 36 às baladas, em Vívir Así es Morir de Amor.

Pelo palco principal passaram ainda a eletrónica contagiante de Hot Chip, os australianos Cosmo’s Midnight e o controverso rapper DaBaby, que no passado fez comentários homofóbicos durante um dos seus concertos.

A Sala Tejo acolheu ainda uma grande variedade de artistas como o cantautor português Samuel Úria, a rapper Capicua ou o norte-americano Goldlink. No palco LG marcaram presença o rapper Benji Price, que este ano lançou o seu disco de estreia, ígneo, o DJ Rui Vargas ou Pedro de Tróia.

O festival encontra o seu derradeiro dia este sábado, com atuações de artistas como os Foals, Jamie XX ou Capitão Fausto, com um concerto especial que conta com a participação do maestro Martim Sousa Tavares.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


Especiais em Destaque

iOnline

iOnline
×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline