26/11/2022
 
 
Refugiados. Um debate onde pouco se falou do acolhimento de cidadãos ucranianos

Refugiados. Um debate onde pouco se falou do acolhimento de cidadãos ucranianos

Bruno Gonçalves Joana Mourão Carvalho 02/06/2022 08:20

No debate de urgência requerido pelo Chega, Costa e Montenegro ocuparam papel de destaque na discussão.

O debate era sobre “a garantia dos direitos e liberdades no acolhimento e integração dos refugiados ucranianos”, mas rapidamente virou uma oportunidade de André Ventura desferir ataques ao primeiro-ministro e ao PSD. 

No arranque do debate de urgência requerido pelo Chega, o líder do partido não deixou passar em branco a ausência de António Costa na sessão plenária, uma vez que o Governo se fez representar apenas pela ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, e pela secretária de Estado da Igualdade e Migrações, Isabel Rodrigues.

“O primeiro-ministro recusou sistematicamente responder às questões que implicavam diretamente este Governo na questão do acolhimento dos refugiados ucranianos em Portugal. Desde o início que António Costa procurou escudar-se no Presidente da República, nesta Assembleia da República, nos serviços secretos, na Câmara Municipal ou em qualquer outra entidade para fugir ao óbvio, a responsabilidade do Governo nesta matéria”, acusou Ventura.

Lembrando que “há mais de dez anos que as associações ucranianas denunciavam que em Portugal estes refugiados estariam a ser acolhidos por pró-russos e há uns anos atrás que estas associações eram maquilhagem de propaganda russa em Portugal”, o presidente do Chega apontou que “muitas destas associações diretamente ligadas ao regime russo têm financiamento direto do Estado português”.

Por essa razão, o deputado entende que é Costa que “deve dar explicações”, questionando “o que sabia sobre esta atividade russa em Portugal” e “sobre a presença destas associações financiadas com dinheiro público”, bem como “o que sabia o Governo sobre estas associações e sobre a sua atividade”.

Também a proposta para uma eventual comissão de inquérito parlamentar ao acolhimento de refugiados que o Chega levou a debate serviu para desvirtuar o tema. A proposta vai ser votada na sexta-feira, no final da sessão plenária e além da abstenção do PSD, sabe-se que o PS vai votar contra.

 Com a bancada social-democrata a contribuir para o chumbo, Ventura não perdeu a oportunidade para lembrar que a ideia partiu do novo presidente eleito do PSD, Luís Montenegro,  durante a campanha para as  diretas.

 O líder do Chega classificou como “muito curioso” que o partido “mude de posições em cada momento”. Mas o deputado André Coelho Lima, do PSD, não se ficou: “Até ver, quem fala pelo PSD somos nós, os que aqui estão”.  

“É confrangedor assistir à motivação de uma comissão parlamentar de inquérito, que é uma coisa séria e regimentalmente prevista. Tiveram a oportunidade para a fundamentar, e perdeu-se nas plasticidades levianas habituais, sem conseguirem fundamentar a este Parlamento o que motiva esta comissão”, atirou ainda o social-democrata, acrescentando que o PSD “não é contra” a ideia de uma comissão de inquérito e que “não descarta a possibilidade de a vir requerer”.

Coelho Lima considerou que só fazia sentido propor um inquérito parlamentar ao caso antes das audições de governantes e de outros responsáveis, defendendo que é preciso questionar o primeiro-ministro e que isso deve ser feito em plenário.

Perante o chumbo anunciado,  Ventura ameaçou avançar com um pedido potestativo para que o inquérito avance na mesma, ainda que isso seja pouco provável, já que o Chega precisa da aprovação de um quinto dos deputados. Ou seja, o partido necessita das assinaturas de 46 dos 230 deputados, e o Chega tem apenas 12, ou seja, precisa que outros 34 deputados se juntem à iniciativa. A deputada Inês Sousa Real, do PAN, disse acompanhar a proposta do Chega, mas o seu voto é insuficiente para a viabilizar.

O desfoque da questão dos refugiados não passou ao lado das restantes bancadas parlamentares que durante o debate acusaram o Chega de não se ter debruçado no tema em discussão por não ter feito qualquer pergunta aos elementos do Governo presentes no Parlamento.

Nuno Carvalho, do PSD, censurou o Chega por não querer discutir o tema e atirou: “Já chega porque isto não é um circo”.

Já o socialista Pedro Delgado Alves defendeu que a questão do acolhimento de refugiados não foi levantada pelo proponente do debate, o Chega, tendo sido os restantes partidos que deram utilidade a este agendamento. Aproveitando a deixa  também a deputada socialista Alexandra Leitão, incriminou o Chega de “oportunismo político”.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


Especiais em Destaque

iOnline

iOnline
×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline