29/06/2022
 
 
Portugal vai enviar 50 milhões de euros para ajuda humanitária para a Polónia

Portugal vai enviar 50 milhões de euros para ajuda humanitária para a Polónia

Patrícia de Melo Moreira/AFP Jornal i 20/05/2022 10:39

António Costa fez declarações na sequência da reunião com o seu homólogo polaco. 

O primeiro-ministro anunciou esta setxa-feira, após uma reunião com o primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, que Portugal vai enviar para a Polónia 50 milhões de euros para ajuda humanitária, sublinhando ainda que, neste momento, a prioridade é a transição energética de modo a reduzir a dependência de gás russo. 

António Costa considera que Portugal é, há muito tempo, defensor da transição energética e que tem condições "para contribuir de forma duradora para a autonomia energética da Europa":

"É prioritário o investimento na criação das interconexões entre Portugal e Espanha e Espanha e a Europa (...) para, no futuro, garantir a capacidade de produção de hidrogénio verde a baixo custo beneficiando do preço extraordinariamente baixo na produção de energia solar", disse o chefe do Governo, sublinhado que são necessárias "respostas imediatas para atingir o objetivo da transição energética a 4 anos". 

Desse modo, o porto de Sines poderá ter um importante papel no que toca a fornecer gás à Europa: "Estamos a estudar a hipótese de utilizar o porto de Sines como uma plataforma de 'transhipping' [transferência de cargas entre navios] para fazer a trasfega de grandes navios metaneiros para navios metaneiros de média e pequena dimensão que terão melhores condições de operar nas zonas muito congestionadas no mar  do Norte e mar Báltico".

Em relação à questão dos refugiados, o primeiro-ministro afirmou que Portugal está pronto para receber mais refugiados ucranianos e também para ajudar, não só com apoio financeiro e humanitario, mas também com apoio material, "seja em casas pré-fabricadas, seja com casas modulares, seja com ajuda alimentar".

António Costa considerou ainda que a melhor forma de a União Europeia apoiar a Ucrânia é mantendo "uma resposta unida" contra a Rússia, uma vez que Putin não estava a espera de uma resposta em bloco. 

O primeiro-ministro indicou que via a Ucrânia como família e que sente que "vivemos, infelizmente, uma situação dramática fruto da invasão ilegal e da guerra bárbara que a Rússia vem desenvolvendo".

Ainda em relação à sua renuião com o homólogo polaco, António Costa expressou "solidariedade e admiração" pela forma como o seu país "tem apoiado a Ucrânia e acolhido e assegurado proteção aos refugiados ucranianos". 

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline