06/02/2023
 
 
Covid-19. Xangai quer regressar ao "normal" no dia 1 de junho

Covid-19. Xangai quer regressar ao "normal" no dia 1 de junho

AFP Hugo Geada 17/05/2022 08:44

As autoridades chinesas anunciaram que vão aliviar as medidas de restrição contra a covid-19 a partir do dia 1 de junho.

Depois das rígidas políticas de zero-covid implementadas em Xangai, as autoridades da cidade chinesa anunciaram que pretendem regressar “à vida normal” no dia 1 de junho de forma a reacender a economia do país.

Segundo a vice-presidente da autarquia de Xangai, o levantamento destas restrições, que estiveram implementadas durante mais de seis semanas, será feito de forma faseada para evitar uma subida preocupante de casos de covid-19.

“De 1 de junho a meados e final do mês, desde que os riscos de ressurgimento de infeções estejam controlados, vamos implementar um controlo preventivo da pandemia, normalizar os negócios e restaurar totalmente a produção e a vida na cidade”, explicou Zong Ming, citada pelo Guardian.

A primeira fase desta reabertura começou na segunda-feira, com centros comerciais e supermercados a retomar a atividade e permitir aos clientes fazerem compras de forma ordenada, enquanto cabeleireiros e mercados de vegetais vão abrir com uma capacidade limitada, informou a responsável.

A reabertura surge numa altura em que o número de casos de infeções de covid-19 em Xaigai tem vindo a diminuir, com 1 369 novos casos positivos anunciados este domingo, contra mais de 25 mil no final do mês passado.

“Ressuscitar” a economia As restrições contra a covid-19 na capital financeira chinesa afetaram centenas de milhões de consumidores e trabalhadores e prejudicaram as vendas de negócios locais, a produção industrial e a taxa de empregabilidade, originando receios que “a economia possa diminuir no segundo trimestre” do presente ano, escreve o jornal inglês.

Mas os problemas económicos não se limitam a afetar apenas a China, uma vez que os problemas no fabrico de materiais provocaram uma onda de choque em cadeia de fornecimento global no comércio internacional.

Contudo, perante este cenário negativo, especialistas indicam que a atividade económica melhorou um pouco em maio e poderá continuar nesta trajetória uma vez que o Governo e o banco central devem implantar mais medidas de estímulo para acelerar a recuperação económica, mas, mesmo assim, existem demasiadas incertezas devido à “política intransigente de “zero Covid” da China com o objetivo de erradicar todos os surtos a todo o custo”.

“Embora o Governo tenha priorizado a contenção da covid-19, também está determinado a apoiar a economia através de maiores investimentos em infraestruturas e a flexibilização monetária direcionada para apoiar pequenas e médias empresas, o setor da manufatura, imobiliário e o financiamento de infraestrutura”, disse o economista chinês da Oxford Economics, Tommy Wu, citado pelo Al Jazeera. 

“As consequências desta perspetiva são bastante negativas, já que a eficácia do estímulo político dependerá em grande parte da escala de futuros surtos e bloqueios de covid”, explicou o especialista.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline