20/05/2022
 
 
Depp e Heard. Tribunal já começou a ouvir a "verdade" da atriz

Depp e Heard. Tribunal já começou a ouvir a "verdade" da atriz

AFP Sara Porto 05/05/2022 11:27

Depois de 12 dias consecutivos a ouvir Depp e todas as suas testemunhas, chegou a vez da atriz Amber Heard contar “o seu lado da história”.

Depois de duas semanas onde o Johnny Depp teve oportunidade de falar pela primeira vez sobre o “pesadelo”_que viveu durante o seu casamento de apenas 15 meses – entre 2015 e 2016 – com a atriz Amber Heard, ontem foi a vez de a artista falar, bem como algumas das suas testemunhas. Depp está a processar Heard por difamação, em 50 milhões de dólares, cerca de 48 milhões de euros, por causa de um artigo de opinião de 2018 escrito pela mesma para o Washington Post no qual Heard se descreve como uma “figura pública a representar a violência doméstica”. Embora Depp não tenha sido citado no artigo, o espaço temporal em que foi escrito o texto corresponde ao período em que os dois se envolveram. Segundo o ator, graças a isso, acabou mesmo por perder alguns dos seus papéis mais importantes. Ao longo destes 12 dias, o ator descreveu episódios bizarros e desconcertantes, defendendo ser ele quem sofria de violência doméstica. Uma das histórias mais marcantes foi que a atriz acabou mesmo por defecar na sua casa, depois de uma acesa discussão que o fez sair de casa.

Minutos depois de os advogados de Depp encerrarem o caso, na terça-feira, a defesa da atriz pediu que o processo contra Heard fosse arquivado, argumentando que “Depp não conseguiu provar que tinha sido alvo de difamação”. No entanto, a juíza negou o arquivamento por considerar que as provas apresentadas são “suficientes para permitir que o caso prossiga”.

 

A versão de Amber

Começaram então a ser ouvidas as testemunhas chamadas pela defesa da atriz, sendo a primeira Dawn Hughes, especialista em violência interpessoal, que afirmou que, em consequência da “violência íntima pelo parceiro, o senhor Depp”, a atriz desenvolveu stress pós-traumático, rejeitando assim a alegação de que a atriz teria fingido os sintomas. A especialista revelou ainda em tribunal que as mensagens trocadas entre o ex-casal podem ser consideradas como uma prova de abuso emocional, de como Johnny Depp “sofria de ciúmes doentios e tentava controlar a ex-mulher quando esta não estava com ele”. Segundo Hughes, a maioria dos episódios de violência e de violência sexual aconteciam quando Depp vivia “momentos de raiva movidos a álcool e drogas”: “Quando o senhor Depp estava alcoolizado ou drogado, atirava-a para a cama, rasgava-lhe as roupas e tentava ter sexo com ela. Houve vezes em que ele a forçou a fazer-lhe sexo oral quando estava chateado e momentos de domínio para tentar ter controlo sobre ela”, alegou a especialista. De acordo com a mesma, num dos episódios de violência, o ator acusou a ex-mulher de ter estado a “namoriscar” com outra mulher e “procurou ostensivamente por drogas” nas cavidades íntimas de Heard. Contudo, os episódios mais graves, conta, passaram-se na Austrália, onde Amber Heard foi sujeita “aos piores episódios de violência sexual pelo marido”: “Foi espancada, estrangulada e penetrada com uma garrafa enquanto o marido gritava: ‘Vou-te matar, odeio-te, odeio-te’”, descreveu Hughes.

Durante a semana continuarão os depoimentos, já que o julgamento está agendado para, pelo menos, seis semanas de duração. Contudo, aquilo que se sabe já seria o suficiente para realizar um filme de terror.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline