29/06/2022
 
 
OE2022. AEP critica ausência de medidas decisivas para apoiar empresas e melhorar competitividade

OE2022. AEP critica ausência de medidas decisivas para apoiar empresas e melhorar competitividade

Jornal i 14/04/2022 11:58

“A melhor resposta que o Governo pode dar à atual crise é mitigar o mais possível a subida dos custos de produção das empresas, mesmo que à custa de um défice público mais alto”, defende a associação.

A AEP – Associação Empresarial de Portugal afirma que a proposta de Orçamento do Estado 2022, apresentada esta quarta-feira pelo ministro das Finanças, “é um misto entre a primeira proposta e as recentes medidas para mitigar a crise” e lamenta a falta de medidas decisivas para apoiar as empresas.

“Sem prejuízo de uma análise mais detalhada, a AEP – Associação Empresarial de Portugal considera a segunda proposta de Orçamento do Estado para 2022 um misto da primeira proposta − onde não havia qualquer foco no apoio ao potencial produtivo − com as recentes medidas apresentadas pelo Governo para mitigar a crise, que apesar de positivas, são tardias, insuficientes e apenas conjunturais”, defende a AEP em comunicado.

Para a associação, continuam a faltar medidas decisivas para apoiar as empresas “nesta difícil conjuntura e para melhorar de forma mais duradoura a sua competitividade” e dá como exemplos o regresso do lay-off simplificado e do banco de horas individual, a suspensão do pagamento de moratórias e a redução significativa da carga fiscal.

A AEP defende ainda que se deveria aproveitar “a oportunidade gerada pelo afluxo elevado e irrepetível de fundos europeus e pela estabilidade política para fazer reformas, para aumentar a competitividade, debelar fragilidades estruturais e eliminar custos de contexto penalizadores da atividade empresarial e da produtividade”.

O presidente da AEP acredita que “a melhor resposta que o Governo pode dar à atual crise é mitigar o mais possível a subida dos custos de produção das empresas, mesmo que à custa de um défice público mais alto, pois ainda vigora a flexibilidade europeia das regras das contas públicas e o BCE tem mecanismos para travar a subida das taxas de juro soberanas”.

Para Luís Miguel Ribeiro, “importa ainda melhorar aspetos da primeira proposta orçamental, em particular o Incentivo Fiscal à Recuperação, cujas exigências e limitações penalizadoras devem ser eliminadas. Só desta forma se evitará uma escalada de falências e desemprego e uma potencial espiral inflacionista e de perda de poder de compra, que penalizaria o consumo e poderia mesmo levar a uma recessão”.

A AEP lembra que nem o Estado nem a maioria das empresas, sobretudo as PME, estão em condições de aumentar os salários, de forma a compensar a atual perda de poder de compra, “essa seria uma estratégia errada que poderia alimentar uma espiral inflacionista, pois o aumento dos salários elevaria ainda mais os preços, devido à subida acrescida dos custos de produção, o que exigiria novos aumentos salariais para repor o poder de compra e assim sucessivamente, numa escalada crescente”.

Assim, a associação defende que o Governo deve afastar ou adiar várias propostas do seu programa que agravam fortemente a rigidez e os custos laborais, considerando que estas são “contraditórias face às recentes propostas de mitigação dos custos das empresas, que são incorporadas no Orçamento do Estado”.

“Embora seja muito importante aumentar os salários para melhorar as condições de vida dos trabalhadores, reter e atrair talento para enfrentar os desafios do presente e do futuro (melhorando ao mesmo tempo o saldo migratório e colmatando a falta de mão-de-obra), tal não é possível sem antes serem adotadas medidas decisivas para aumentar a produtividade das empresas, onde Portugal compara mal no contexto da UE - o PIB por hora trabalhada em paridade de poderes de compra é de apenas 64,2% da média europeia, o terceiro valor mais baixo a nível europeu”, sublinha o presidente da AEP.

Por último, a AEP afirma que “o aumento da produtividade é crucial para elevar de forma sustentada o nível de vida e impedir que Portugal continue a cair para a cauda da Europa” e recorda que “em 2021, foi já o sétimo mais baixo da União Europeia.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline