17/05/2022
 
 
Restabelecido acesso ao site do Parlamento depois de ataque informático

Restabelecido acesso ao site do Parlamento depois de ataque informático

Dreamstime Jornal i 02/02/2022 22:10

À agência Lusa, o gabinete de imprensa da Polícia Judiciária admitiu que o caso está a ser investigado, não adiantando, contudo, mais nenhuma informação.

O website do parlamento português na Internet voltou esta quarta-feira a estar disponível depois de, no último domingo, ter sido alvo de um eventual ataque informático anunciado pelos 'hackers' Lapsu$ Group no domingo, adiantou a Assembleia da República.

"Na sequência de um alegado ataque informático à Assembleia da República, no último dia 30, domingo, foi nessa noite tomada a decisão de impedir todos os acessos externos ao portal internet do Parlamento, de forma a permitir aos serviços informáticos e às autoridades competentes a análise exaustiva de toda a estrutura informática", lê-se em comunicado.

Segundo a Assembleia da República, após a análise, não houve "evidência de qualquer impedimento no funcionamento do portal", tendo sido "restabelecido ao final do dia de hoje".

À agência Lusa, o gabinete de imprensa da Polícia Judiciária admitiu que o caso está a ser investigado, não adiantando, contudo, mais nenhuma informação.

No domingo, o jornal Expresso noticiou que os "hackers" do Lapsu$ Group anunciaram ter invadido e "roubado informações sensíveis" do 'site' do parlamento português, tendo este ficado em baixo durante cinco minutos.

Contactado pela agência Lusa, o diretor do Gabinete de Comunicação na Assembleia da República, João Amaral, disse não existir, até àquele momento, "qualquer evidência de que o 'site' tenha sido atacado", mas que o departamento de informática estava a "fazer correr todas as ferramentas para averiguar o assunto".

Segundo o jornal, "em dia de eleições legislativas, os piratas informáticos autodenominados Lapsu$ Group garantiram ter invadido aquele 'site' e roubado informações".

"Hoje hackeámos o 'site' do Parlamento e tivemos acesso a aplicações da Microsoft e a uma grande quantidade de bases de dados que contém informação sensível do Governo relacionada com informações pessoais de políticos e de partidos políticos, muitos documentos, emails, passwords...", referiu o Expresso, citando os 'hackers'.

À agência Lusa João Amaral disse ainda que toda a informação que existe no 'site' do parlamento português "é pública e transparente".

Segundo o jornal, este grupo de 'hackers' que diz ter roubado informação do 'site' do parlamento português é o mesmo que atacou no início do mês o Grupo Impresa, destruindo milhões de ficheiros do Expresso e da Sic.

 

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline