21/02/2024
 
 
Guiné-Bissau. Momentos de terror num golpe de Estado falhado

Guiné-Bissau. Momentos de terror num golpe de Estado falhado

DR João Campos Rodrigues 01/02/2022 20:21

Habitantes de Bissau puseram-se em fuga, temendo o pior. O Presidente Embaló e boa parte do Governo foram libertados após serem feitos reféns.

O Palácio do Governo guineense foi cercado, entre fogo de bazuca e rajadas de metralhadora, esta terça-feira, em pleno Conselho de Ministros. Foram assassinados seguranças da mais alta confiança do Presidente Umaro Sissoco Embaló, confirmou um fonte próxima ao i, estando também no interior do edifício o primeiro-ministro Nuno Nabian. Ambos foram feitos reféns, com vários ministros, funcionários e jornalistas, a quem foram confiscados os telemóveis, num impasse que durou quase cinco horas, sendo finalmente libertados por volta das 18h, avançou a Rádio Sol Mansi.

Um dos repórteres desta rádio guineense estava nos arredores da sede do Governo quando um grupo de homens à paisana, que se viriam a identificar como militares, equipados com armamento pesado, tomaram de assalto o palácio, às 13h30. Foi uma ofensiva súbita mas, no meio da confusão, alguns conseguiram fugir. Um membro do Executivo, antes de desligar o telemóvel por motivos de segurança, relatou ao i ter sido resgatado por um militar que o reconheceu, levando-o para longe do perigo logo no início do assalto.

As autoridades guineenses deram ordens para o que os habitantes de Bissau se fechassem em casa. Contudo, o pânico alastrou rapidamente e muitos puseram-se em fuga para o campo, temendo o pior. Em Safim, ponto de passagem à saída da capital, aglomerou-se uma enorme multidão que tentava escapar, contou uma jornalista da Rádio Sol Mansi ao i.

Entretanto, o Presidente seria fotografado no seu palácio, junto com militares leais, mostram imagens enviadas ao i (ver foto acima). Embaló parece estar bem e a situação ter acalmado. 

Contudo, não é de espantar o receio da população. Os guineenses ainda têm bem viva a memória da sangrenta guerra civil de 1998-1999, causada por uma golpe de Estado do general Ansumane Mané, contra o Presidente João Bernardo “Nino” Vieira, considerado o mentor político de Embaló.

Conspiração e suspeitas As informações que chegam da Guiné-Bissau, um país onde os rumores quanto a eventuais golpes de Estado são uma constante, são contraditórias.

Ninguém sabe exatamente o que despoletou esta tentativa de golpe. Mas todos os dedos estão apontados para lideranças militares balantas, uma etnia que representa cerca de um quarto da população e domina as forças armadas guineenses - uma fonte próxima do Executivo explicou ao i que militares envolvidos no golpe saíram de Mansoa, uma cidade maioritariamente balanta. Esta etnia é representada politicamente pelo Partido de Renovação Social (PRS), que faz parte do Governo, mas que enfrenta grande fragmentação interna, após uma dura disputa pela liderança em janeiro. 

O certo é que a relação entre Embaló e Nabiam, em tempos candidato do PRS, tem-se degradado nos últimos meses, após o Governo mandar reter um avião Airbus A340 que aterrara no aeroporto de Bissau, vindo do Gâmbia com autorização presidencial, segundo a Lusa. O primeiro-ministro anunciou que tomou essa decisão por suspeitar de que a aeronave transportasse armas, ordenando uma investigação por peritos americanos. Algo de que o Presidente não gostou nada, tendo chegado a ameaçar demitir Nabiam. 

Já o chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, Biagué Na N’Tan, ainda em outubro avisara que se preparava um golpe na Guiné-Bissau, denunciando que os conspiradores ofereciam uns meros dez mil francos CFA, o equivalente a 15 euros, a cada soldado. E pedindo às tropas para “não alinharem com as pessoas que estão a mobilizar militares nos quartéis, porque nada se esconde hoje”.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline