29/05/2022
 
 
Relação de Lisboa rejeita reclamação de Ricardo Salgado

Relação de Lisboa rejeita reclamação de Ricardo Salgado

Jornal i 28/01/2022 20:51

Em causa está uma reclamação da defesa do ex-presidente do BES Ricardo Salgado, que alegava a prescrição de uma coima de 65 mil euros aplicada pelo Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão (TCRS).

O Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) rejeitou uma reclamação da defesa do ex-presidente do BES Ricardo Salgado, que alegava a prescrição de uma coima de 65 mil euros aplicada pelo Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão (TCRS).

Segundo o acórdão do TRL, a que a Lusa teve acesso, a reclamação defendia a prescrição da coima de 65 mil euros correspondente a uma alegada contraordenação em sede de reporte de relatório de prevenção de branqueamento de capitais, datada de 27 de junho de 2013, sustentando que o prazo de prescrição ultrapassara o máximo de oito anos (já com os períodos de suspensão e interrupção de procedimento) e expirara em 4 de dezembro de 2021.

A defesa argumentava que existia uma “violação do princípio da aplicação retroativa da lei contraordenacional posterior desfavorável ao arguido”, do princípio da proporcionalidade e das garantias de defesa do arguido, por considerar que a Lei 25/2008 vigorava à data dos factos e não a Lei do Combate ao Branqueamento de Capitais e ao Financiamento do Terrorismo, de agosto de 2017, que substituiu a primeira e veio aumentar o prazo de suspensão da prescrição destes ilícitos para dois anos e meio ou cinco anos, mediante o valor das coimas associadas às infrações.

“A mesma deve ser revogada por esta conferência e substituída por acórdão que ordene a baixa do processo e a sua remessa ao Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão, para redução da condenação do recorrente e reajuste do cômputo da coima que lhe foi fixada em cúmulo jurídico” [290 mil euros], invocou a defesa de Ricardo Salgado.

Contudo, o TRL concluiu que “a prescrição do ilícito contraordenacional pelo qual o recorrente foi condenado, e que é objeto deste requerimento (ou qualquer dos ilícitos em causa nos presentes autos) não ocorreu em 4 de dezembro de 2021 e está ainda muito longe de ocorrer”, julgando a reclamação “improcedente” e rejeitando qualquer “interpretação inconstitucional” neste contexto.

“Não tendo a nova Lei criado um novo prazo de prescrição, nem tendo criado uma nova causa de suspensão da prescrição (…), tendo-se limitado a aumentar a duração do prazo dessa suspensão, a lei aplicável deverá ser a da data da prática do ato que determina essa causa de suspensão”, lê-se no acórdão, cita a Lusa.

O documento acrescenta ainda que o anterior prazo de seis meses “era manifestamente desajustado à realidade” devido à “dimensão e complexidade”.

Os juízes relembraram também que o acórdão anterior da secção de Propriedade Intelectual, Concorrência, Regulação e Supervisão do TRL está pendente de um recurso no Tribunal Constitucional e que, segundo o enquadramento legal instituído em 2017, essa situação eleva para o dobro o período de tempo da suspensão de prescrição, ou seja, mais cinco anos.

“Trata-se da introdução de uma alteração na contagem do prazo de suspensão da prescrição em curso, não da criação de um novo prazo de prescrição”, sustentam.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


Especiais em Destaque

iOnline
×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline