29/05/2022
 
 
Pediatra Jorge Amil pede que se reaprecie vacinação das crianças

Pediatra Jorge Amil pede que se reaprecie vacinação das crianças

AFP Jornal i 26/01/2022 16:20

Apelo foi feito numa carta aberta assinada por 27 subscritores que consideram que "o mais preocupante" é a vacinação das crianças dos 5 aos 11 anos estar a decorrer em pleno pico pandémico, circunstâncias que não foram testadas nos ensaios clínicos de vacinas.

O pediatra Jorge Amil, presidente do Colégio de Pediatria da Ordem dos Médicos, apelou esta quarta-feira às autoridades de saúde que reapreciem a decisão de continuar a vacinar crianças saudáveis contra a covid-19, analisando a relação risco-benefício, perante a nova realidade determinada pela variante Ómicron.

O apelo foi feito através de uma carta aberta, assinada por 27 subscritores, dirigida às autoridades de saúde, onde é pedida a "suspensão cautelar" da vacinação contra a SARS-CoV-2 em crianças e jovens "até que se comprove a sua necessidade, benefício e segurança".

"Num pico de infeções com esta dimensão poderá ser prudente reavaliar-se o prosseguir com a vacinação, se para além de eficaz, se será seguro, e não fica nada mal fazer esta reavaliação continuada", disse o pediatra à agência Lusa.

"É esse alerta e esse pedido de reapreciação da decisão à luz dos dados disponíveis que o grupo de médicos entendeu vir publicamente fazer um apelo às autoridades de saúde", explicou Jorge Amil.

Na carta aberta, signatários, entre os quais pediatras, cardiologista, internistas, infeciologistas, ressalvam que o apelo para suspender a vacinação diz respeito "à situação das crianças saudáveis e não se pretende qualquer extrapolação para adultos ou crianças com comorbilidades que acarretem risco acrescido de Covid-19".

Jorge Amil afirmou que as autoridades de saúde ouviram em determinada altura "quem acharam que deviam ouvir" para formular uma recomendação do programa de vacinação de crianças, mas considerou ser necessário fazer "uma reflexão permanente em relação às decisões que se tomam, porque a ciência nunca foi imutável e menos ainda agora numa situação de grande evolução".

Questionado sobre as razões deste apelo quando está a terminar a campanha da vacinação das crianças, explicou que a vacinação em curso "não tem o poder" de impedir a disseminação da doença pela nova variante, exemplificando que nas populações escolares "a difusão tem sido enorme": "O que se viu é que a vacina não impediu este enormíssimo número de testes positivos, embora o número de doentes por covid seja claramente diferente dos números globais de testes".

Posto isto, defendeu que, "se os objetivos que tinham sido propostos e prometidos para fazer a vacinação, não estiverem a ser atingidos, talvez faça sentido rever novamente a segurança da vacinação, a eficácia da vacinação e reequacionar a decisão".

Para os signatários da carta, "o mais preocupante" é a vacinação das crianças dos 5 aos 11 anos estar a decorrer em pleno pico pandémico, circunstâncias que não foram testadas nos ensaios clínicos de vacinas.

"A vacinação de crianças previamente infetadas por SARS-CoV-2, ou a sua infeção depois de vacinadas, num curto intervalo temporal, pode vir a traduzir-se num aumento da incidência de casos de miocardites, efeitos deletérios no sistema imunitário ou outras reações adversas, riscos potencialmente graves e eventualmente letais", alertam.

Recorde-se que a Direção-Geral da Saúde (DGS) divulgou, esta quarta-feira, um parecer técnico que sustenta a importância da vacinação contra a covid-19, para evitar doenças graves ou complicações pela infeção com o vírus. No documento, os técnicos do Programa Nacional para as Doenças Cérebro-Cardiovasculares reafirmam os benefícios da vacinação no grupo etário dos 5 aos 11 anos e também na população em geral e a segurança da vacina, transmitindo "uma mensagem de tranquilidade aos pais e crianças portuguesas".

O parecer baseia-se em artigos científicos publicados em revistas médicas e nos documentos normativos das entidades sanitárias nacionais e internacionais, nomeadamente os resultados da vacinação em mais de oito milhões de crianças entre os 5 e os 11 anos de idade.

De acordo com o parecer técnico do Programa Nacional para as Doenças Cérebro-Cardiovasculares da DGS, a vacinação permite diminuir o potencial de gravidade do impacto da covid-19 nas crianças e adolescentes, no entanto, ainda estão por apurar a existência de complicações ou sequelas persistentes. 

A entidade indica que a miocardite - inflamação do músculo cardíaco - por infeção com a covid-19 é mais frequente do que após a vacinação e pode ter sintomas mais graves e complicações e sequelas a curto prazo. 

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


Especiais em Destaque

iOnline
×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline