24/05/2022
 
 
Banana da Etiópia pode ser um "salva-vidas" para as alterações climáticas

Banana da Etiópia pode ser um "salva-vidas" para as alterações climáticas

RBG KEW Jornal i 21/01/2022 12:07

Cientistas dizem que a planta enset, um alimento básico da Etiópia, pode ser um novo superalimento e ainda um salva-vidas diante das mudanças climáticas.

 

De acordo com um novo estudo publicado na revista Environmental Research Letters, a cultura da banana tem potencial para alimentar mais de 100 milhões de pessoas num mundo em aquecimento. A planta é quase desconhecida fora da Etiópia, onde é usada para fazer mingau - alimento de consistência cremosa, feito usualmente de água ou leite, onde se cozinha um cereal ou farinhas variadas - e pão.

Enset ou "banana falsa" é um “parente” próximo da banana, mas é consumido apenas numa parte da Etiópia, onde cerca de 20 milhões de pessoas dependem dele para alimentação. O fruto semelhante à banana não é comestível, mas os caules e raízes amiláceas podem ser fermentados. 

"Esta é uma cultura que pode desempenhar um papel muito importante na abordagem da segurança alimentar e do desenvolvimento sustentável", afirmou Wendawek Abebe, da Universidade Hawassa, em Awasa, Etiópia.

Usando pesquisas agrícolas e trabalho de modelagem, os cientistas previram o alcance potencial do enset nas próximas quatro décadas, concluindo que a colheita poderá alimentar mais de 100 milhões de pessoas e aumentar a segurança alimentar na Etiópia e em outros países africanos, incluindo Quénia, Uganda e Ruanda.

O investigador responsável pelo estudo, James Borrell, do Royal Botanic Gardens, Kew, afirmou à BBC que esta tem “algumas características realmente incomuns que a tornam absolutamente única como cultura": "A planta pode ser plantada a qualquer hora, e colhida da mesma forma, por isso é que a chamam de ‘árvore contra a fome’”, acrescentou. 

A Etiópia é um importante centro de domesticação de culturas na África, lar do café e de muitas outras culturas.

Prevê-se que as alterações climáticas afetem seriamente os rendimentos e a distribuição das culturas alimentares básicas no país e além-fronteiras.

Segundo o responsável, há um interesse crescente em procurar novas plantas para alimentar o mundo, “dada a nossa dependência a algumas culturas básicas”. Quase metade de todas as calorias que ingerimos vem de três espécies - arroz, trigo e milho.

"Precisamos diversificar as plantas que usamos globalmente como espécie, porque todos os nossos ovos estão numa cesta muito pequena neste momento", rematou Borrell.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


Especiais em Destaque

iOnline
×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline