18/01/2022
 
 
Europa. Omicron pode tornar-se dominante no período de um mês

Europa. Omicron pode tornar-se dominante no período de um mês

AFP Marta F. Reis 03/12/2021 08:16

Cenários do ECDC para a Europa foram publicados ontem.

No cenário mais curto apresentado ontem pela Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças, a nova variante Omicron pode tornar-se dominante na região europeia no espaço de um mês, passando a representar nessa altura mais de 50% dos novos casos de covid-19. Perante a incerteza sobre o nível de transmissibilidade da nova variante, o ECDC avançou com algumas projeções, considerando que o risco se mantém elevado e “muito elevado” nos países que com a delta já estão a viver um recrudescimento da epidemia.

Na província sul-africana de Gauteng, onde a variante foi detetada e se tornou dominante no espaço de duas semanas, na última semana houve um aumento de 424% dos casos, o que tem apontado para um cenário de grande transmissibilidade. Uma das dificuldades em perceber até que ponto a variante será mais transmissível, nota a avaliação de risco do organismo europeu, é que o número de casos de covid-19 na África do Sul é baixo, o que significa que se pode estar a ver um efeito “desproporcionado” de eventos de super-disseminação: quando uma pessoa, em condições propícias para isso como espaços fechados, infeta muitas. Mas o crescimento a pique dos diagnósticos na África do Sul e em Gauteng em particular está a fazer soar alarmes: segundo a informação divulgada pelo Centro Nacional de Doenças Infecciosas, o país passou ontem pela primeira vez os 10 mil novos casos no espaço de 24 horas, quando há uma semana rondavam os 2 mil. Um dos problemas é que o país está com uma taxa de positividade de 22%, o que indicia baixa deteção (a recomendação internacional é uma positividade na casa dos 4%).

Ainda assim, África do Sul está com 47 mil casos ativos, o que é menos por exemplo do que 57 638 casos ativos em Portugal, que nem é dos países com maior incidência nas últimas semanas na Europa. Os cenários traçados do ECDC tentam calcular diferentes níveis de transmissibilidade para a nova variante e caso esteja ou não a circular já na Europa – o Reino Unido foi o primeiro país a confirmar casos sem historial de viagem e com base nos testes PCR feitos na última semana no país, em que a partir de uma falha no gene S é possível suspeitar que se trate de Omicron (como acontecia com a variante Alpha), calcula-se já que perto de 0,5% dos casos no país serão de Omicron.

O ECDC projeta assim que se a Omicron tiver uma vantagem de 120% em relação à delta e se 1% dos casos atuais já forem desta variante, será dominante no continente europeu a 1 de janeiro de 2022. Se tiver uma vantagem de 30%, isso acontece a 1 de março. O organismo nota que a maioria dos casos conhecidos na Europa (agora já mais de uma centena) têm sido assintomáticos ou ligeiros. A preocupação prende-se com o facto de as mutações detetadas na variante, a mais diferente até aqui do SARS-Cov-2 identificado na China há dois anos, já terem demonstrado num vírus sintético testado em laboratório escaparem aos anticorpos. Na África do Sul têm sido reportados também mais casos de reinfeção. 

 

Ler Mais


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline