22/01/2022
 
 
EUA. Procuradores pedem ao Supremo Tribunal para reverter anulação da condenação de Bill Cosby

EUA. Procuradores pedem ao Supremo Tribunal para reverter anulação da condenação de Bill Cosby

Redação 30/11/2021 12:47

O comediante, de 84 anos, foi condenado, em 2018, a dez anos de prisão por drogar e abusar sexualmente de uma mulher em 2004. Acabou por ver a sentença anulada após cumprir cerca de três anos por questões processuais.

Procuradores dos Estados Unidos da América recorreram ao Supremo Tribunal para tentar reverter anulação da condenação de Bill Cosby. O comediante, de 84 anos, foi condenado a dez anos de prisão, em 2018, por drogar e abusar sexualmente de Andrea Constand, ex-treinadora de basquetebol na Universidade de Temple, em 2004. Contundo, após cumprir cerca de três anos de prisão, viu a sua condenação ser anulada.

Em junho último, o Supremo Tribunal do estado da Pensilvânia alegou que o procurador que decretou a prisão de Bill Cosby, Kevin Steele, estava obrigado a cumprir a promessa do seu antecessor de não avançar com uma acusação formal.

Agora, Steele pede ao Supremo Tribunal que “corrija” um erro considerado “grave”. “O Supremo Tribunal pode corrigir o que acreditamos ser um erro grave”, afirmou, em comunicado, o procurador do condado de Montgomery.

“Pedir que [o Supremo Tribunal] reexamine [o caso] é o que deve ser feito”, considerou, acrescentando que a decisão do Supremo Tribunal da Pensilvânia pode ter “consequências nefastas”.

O comediante fez declarações sobre o caso em 2006, sob a promessa de que nunca seria indiciado pelo crime. No entanto, as confissões foram depois usadas contra si em dois julgamentos.

No âmbito do movimento #MeToo – que denunciou vários casos de abuso em Hollywood – Cosby foi acusado de agressão sexual por mais de 50 mulheres, mas acabou por ser julgado apenas pelo caso de Andrea Constand, uma vez que o prazo de prescrição tinha expirado nos restantes.

Ler Mais

Os comentários estão desactivados.


×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline