23/10/21
 
 
Obras expõem vestígios do Real Colyseu de Lisboa na zona do Intendente

Obras expõem vestígios do Real Colyseu de Lisboa na zona do Intendente

Facebook ERA Arqueologia Jornal i 13/10/2021 17:16

A equipa da Era Arqueologia, contratada para o efeito, já tinha “noção do que ali estava”.

 

A transformação do edifício da antiga Garagem Lis, na zona do Intendente, num supermercado, expôs parte da estrutura do desaparecido Real Colyseu de Lisboa, construído em 1887, e cujos vestígios foram agora registados antes de serem novamente soterrados.

As obras de transformação do edifício Lis, situado na esquina entre a Rua da Palma e a Calçada do Desterro, exigiam precisamente que se tentasse perceber se “havia ali vestígios arqueológicos”.

Em declarações à Lusa, a arqueóloga Arlete Figueira, integrante da equipa da Era Arqueologia, contratada para o trabalho, afirmou que já tinha “noção do que ali estava”, lembrando que há fotografias, relatos e notícias que dão conta de que era naquele local que se situava, em finais do século XIX, o Real Colyseu de Lisboa (demolido para dar lugar ao edifício da Garagem Lis, construído em 1933 e entretanto classificado como Imóvel de Interesse Público).

Na fase de “sondagem, de diagnóstico, que tem de ser feito, em termos legais, dentro do contexto da obra”, os arqueólogos encontraram “parte do embasamento da estrutura do Coliseu, ou seja, de toda a zona onde se realizavam todos os espetáculos de ópera, teatro, e onde foi exibido pela primeira vez um filme em Portugal”.

Ao longo dos últimos meses, Arlete Figueira realizou sete sondagens, que demonstraram existirem, de facto, vestígios arqueológicos naquele local, tendo a escavação integral demorado cerca de duas semanas, “porque é acompanhamento feito através de mecanismos mecânicos, não foi feito à mão”, elucidou.

No local é visível “um dos anéis de base do Colyseu”, com os espaços “onde encaixavam os barrotes de suporte para a bancada”, e onde a arqueóloga diz ter encontrado ainda restos de madeira, que ficaram conservados todos estes anos devido às caraterísticas do solo. Além dos pedaços de madeira, “o anel central do Colyseu ainda preserva parte do estuque pintado que estaria à vista”, revelou.

É agora possível perceber-se também onde ficava situada a arena, bem como a zona e palco e a entrada para o Colyseu (era igualmente a entrada principal da Garagem Lis). “A orientação do edifício mantém-se”, referiu Arlete Figueira.

De acordo com o diretor de projeto da Sonae MC, Henrique Campos, responsável pela obra na antiga Garagem Lis, os achados, já registados e catalogados, serão agora soterrados, “sendo protegidos por uma camada de geotêxtil para que tudo fique preservado e enterrado tal como se vê agora”:  “Tudo o que se encontra agora foi documentado e registado, e o registo foi enviado para a Direção-Geral do Património Cultural [DGPC], para receber autorização de aterro das estruturas encontradas”, explicou à Lusa.

Segundo Henrique Campos, a Sonae MC prevê “fazer um espaço museológico” no edifício, mas ainda está “a estudar o modo de o fazer”.

“Não houve muita coisa que foi encontrada que possa ser exposta, o que interessa é o registo do espaço tal como é e da memória que tem. É isso que queremos preservar, e a melhor maneira de o fazer será com recurso a audiovisuais, mas ainda estamos a analisar com a DGPC e a Era para perceber qual é a melhor forma para tornar visível este achado, aquando da abertura do supermercado”, rematou.

 

Ler Mais


Especiais em Destaque

×

Pesquise no i

×