23/10/21
 
 
OE2022. Voto do Chega será "previsivelmente e com grande dose de segurança" contra

OE2022. Voto do Chega será "previsivelmente e com grande dose de segurança" contra

Jornal i 12/10/2021 17:05

Ventura diz que Governo "não conseguiu fazer o que tinha prometido". 

O Chega já reagiu à proposta do Orçamento do Estado para 2022 e identificou “um único aspeto positivo” no documento - “o desagravamento fiscal em sede de IRS nalguns rendimentos”. Contudo, André Ventura diz que esta até seria uma medida “globalmente positiva” se o Governo não estivesse a “retirar daí para ir buscas noutros locais”.

“Até seria uma medida globalmente positiva se o Governo não estivesse a retirar daí para ir buscar noutros locais, como é o caso dos impostos sobre os combustíveis. É importante que as pessoas saibam que vamos ter novamente um aumento fiscal sobre os combustíveis quando já pagamos uma das gasolinas e gasóleos mais caros da Europa e da União Europeia”, criticou o líder do Chega.

“Este Orçamento faz pior que não desagravar: agrava. E toda a gente sabe que é dos aspetos mais importantes da vida das pessoas”, acrescentou, falando depois na “desproporção”entre o investimento público e o privado.

“O Governo, no essencial, não conseguiu fazer o que tinha prometido, que era dar um sinal de retoma à economia, com este orçamento. E é isso que me parece mais preocupante (…) Continua a aumentar a pressão sobre as empresas e famílias e a engrossar a máquina do Estado”, disse Ventura, que criticou ainda o “número catastrófico” da percentagem do PIB.

Assim, “previsivelmente e com grande dose de segurança”, o Chega deverá votar contra o documento.

“Se BE e PCP viabilizarem, terão de ser politicamente responsabilizados”, considerou. “Eu sei que o Presidente da República não quer uma crise política, nenhum partido quer, mas temos de ter capacidade de dizer que António Costa não está no bom caminho”, rematou.

Ler Mais


Especiais em Destaque

×

Pesquise no i

×