22/10/21
 
 
Em e na memória de Loureiro dos Santos

Em e na memória de Loureiro dos Santos

Carlos Chaves 06/10/2021 10:16

A memória de Loureiro dos Santos a todos convoca para a Verdade, o rigor, a competência, a lealdade, a ética e o patriotismo por ele sempre demonstrados e praticados

Sobre a figura do General Loureiro dos Santos é fundamental revelar o seguinte: escolhido e nomeado por Ramalho Eanes, em 1977, Vice-Chefe do Estado Maior General das Forças Armadas (Eanes para além de CEMGFA era presidente do Conselho da Revolução e da República), graduado em general de 4 Estrelas, Loureiro dos Santos preparou a pedido do mesmo Eanes, uma Diretiva para a Reforma das Forças Armadas, extensa (tem 17 páginas), completa, objetiva e clara como o devem ser todas as Diretivas.

Eanes assinou e promulgou a mesma em abril de 1977.

Passados uns meses e, perante o impossibilidade de a concretizar, Loureiro dos Santos resignou, passando para a sua patente de tenente-coronel e regressou ao seu quartel de Cascais.

A Diretiva tinha então lá tudo daquilo que demorou quase cinquenta anos a conseguir.

Eanes, confessou há pouco, num dos intervalos das suas manifestações de apoio a candidatos a diversos cargos políticos (a sua especialidade nos últimos anos, para além de alguns apoios aos reformados almirantes e generais), que não teve então condições políticas para a executar e teve que “imolar” o seu Camarada e Amigo, então seu direto subordinado, e a quem tinha encomendado a tarefa.

Eanes, o então poderoso DDT, não teve a coragem de enfrentar nessa altura os “velhos do Restelo’’, do Terreiro do Paço, de Santa Apolónia e de Alfragide, e o urgente e necessário foi adiado e só mais tarde iniciado progressiva e dificilmente em 1982, progredindo em 1990, 2004, 2014 e 2021.

Quando proximamente se vai realizar no Instituto Universitário Militar (ium) um Dia de Reflexão sobre o pensamento militar de Loureiro dos Santos torna-se imprescindível tornar pública esta Diretiva pois ela está para lá de tudo o que ali, os ilustres intervenientes, possam afirmar.

A memória de Loureiro dos Santos a todos convoca para a Verdade, o rigor, a competência, a lealdade, a ética e o patriotismo por ele sempre demonstrados e praticados.

Por uma vez devemos ir até às últimas consequências e tudo apurar.

O que teria acontecido se a Diretiva tivesse sido cumprida?

Procure-se a resposta.

Após o 5 de Outubro, que seja feito em 7 no IUM o que demorou quase 50 anos a fazer, iniciando assim , com Verdade e Transparência as Comemorações do 25 de Abril de 1974.

Viva a República!

Por Portugal!

 

Carlos Chaves

Major-general na reforma

Ler Mais


Especiais em Destaque

×

Pesquise no i

×