24/10/21
 
 
Coreia do Norte realiza desfile mais discreto pelo 73.º aniversário

Coreia do Norte realiza desfile mais discreto pelo 73.º aniversário

Jornal i 09/09/2021 15:56

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, presidiu o desfile, embora durante o evento não tenha feito nenhum discurso, segundo noticiaram os meios de comunicação estatais estatal.

A Coreia do Norte realizou hoje um desfile militar pelo 73.º aniversário da sua fundação, um evento mais discreto em comparação a outras ocasiões, o qual não foram mostrados mísseis ou enviadas mensagens aos seus opositores.

O desfile, realizado na madrugada de quarta para quinta-feira, ocorreu quando o país está a enfrentar a pior crise económica dos últimos 25 anos por conta da pandemia do novo coronavírus.

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, presidiu o desfile, embora durante o evento não tenha feito nenhum discurso, segundo noticiaram os meios de comunicação estatais estatal.

Quem discursou foi Ri Il-hwan, membro do comité central do Partido dos Trabalhadores, que insistiu que o país investirá no aumento de seu exército até "transformar todo o país numa fortaleza".

Como fez no desfile do 75.º aniversário do partido único do país, realizado em outubro passado, Kim optou por um terno claro e gravata em vez de roupas estilo Mao [Tsé-Tung, ex-líder comunista chinês].

Mas essa foi uma das poucas semelhanças com o evento do outono passado, no qual o regime estreou o seu maior míssil balístico intercontinental (ICBM) projetado até agora.

Ladeado pelos outros quatro membros fortes do partido único norte-coreano [incluindo o militar Pak Jong-chon, nomeado nesta semana membro do núcleo duro do partido], Kim viu hoje as tropas desfilarem pela Praça Kim Il-sung, em Pyongyang.

A Coreia do Norte tem no momento propostas de diálogo sobre a mesa - às quais parece não terem respondido até ao momento - por parte da Coreia do Sul e dos Estados Unidos, que propuseram ao regime norte-coreano se reunirem para tentar retomar as negociações de desnuclearização da península coreana, que estão estagnadas desde 2019.

No entanto, pouco se sabe sobre a atual disposição do regime sobre a questão.

Sobre a crise económica, Kim Jong-un reconheceu aos seus cidadãos que o país atravessa tempos difíceis e deve enfrentar uma nova "marcha árdua", termo utilizado pelo regime na terrível fome dos anos 90.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) explicou recentemente que a Coreia do Norte, que já se recusou a receber quase dois milhões de doses da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca, acaba de rejeitar mais três milhões de doses do laboratório estatal chinês Sinovac.

Diante deste cenário, o país ainda não imunizou nenhum dos seus cidadãos contra a covid-19.

Desde que a China decidiu isolar a cidade de Wuhan em janeiro de 2020, a Coreia do Norte, que hoje afirma não ter detetado nenhum positivo do SARS-CoV-2 após realizar cerca de 38.000 testes, encerrou fortemente as suas fronteiras e até reforçou a segurança com arame farpado extra e ordens para atirar em quem se aproxima.

A teimosia em manter o território vedado tem impedido a entrada de capitais estrangeiros na forma de investimentos ou receitas do turismo e também de importações vitais para um país que depende fortemente da produção chinesa, cujo setor agrícola foi atingido por tufões e ondas de calor no ano passado.

 

Ler Mais


Especiais em Destaque

×

Pesquise no i

×