08/12/2022
 
 

De Nova Iorque a Cabul em vinte anos

Se a invasão do Afeganistão se destinava a restaurar o orgulho ferido – e conseguiu-o, em parte – esta fuga precipitada com os talibãs a morderem os calcanhares dos americanos representa uma nova humilhação.

Tudo começou há vinte anos com quatro aviões comerciais desviados de aeroportos americanos por extremistas muçulmanos. Um despenhou-se contra o Pentágono. Outro acabou provavelmente abatido na Pensilvânia, para evitar males maiores. Outros dois enfiaram-se pelas torres mais altas de Nova Iorque adentro, dando forma a um ataque que, se a Terra continuar a ser a Terra, ainda será lembrado daqui a mil anos.

Poderia uma potência como os Estados Unidos ficar simplesmente quieta? Depois de identificados os autores do atentado, George W. Bush declarou guerra ao Afeganistão e as bombas começaram a cair aos magotes naquele solo pedregoso e hostil em outubro desse ano. A ofensiva americana tirou do poder os talibãs, que cinco anos antes tinham imposto o seu regime de repressão e terror.

Passadas duas décadas, com o anúncio da saída das tropas norte-americanas daquele território, esse regime sinistro volta a impor a sua lei. Com uma pequena diferença: dizem os especialistas que a passagem do tempo talvez não tenha tornado os talibãs mais moderados, pelo contrário, pode tê-los endurecido.

No seu discurso de ontem, Joe Biden disse que os americanos nada poderiam ter feito de diferente. É precisamente essa imagem que fica: apesar da complexidade e até sucesso da operação de retirada, uma imagem de impotência, de incapacidade, de uma força acossada e condenada a debandar.

Se a invasão do Afeganistão se destinava a restaurar o orgulho ferido – e conseguiu-o, em parte – esta fuga precipitada com os talibãs a morderem os calcanhares dos americanos representa uma nova humilhação.

É sem dúvida mais um capítulo negro da história norte-americana. Começou na manhã de 11 de setembro de 2001 com dois aviões a sobrevoarem os arranha-céus de Nova Iorque e a embaterem no World Trade Center. E acaba com aviões militares em fuga, a regressarem à base com o rabinho entre as pernas, deixando Cabul entregue ao mesmo tipo de extremistas que executaram os ataques às Torres Gémeas. Era difícil imaginar pior.

Os comentários estão desactivados.


Especiais em Destaque

iOnline

iOnline
×

Pesquise no i

×
 


Ver capa em alta resolução

iOnline