31/7/21
 
 
Sobe para 116 o número de concelhos a exigir certificado nos restaurantes

Sobe para 116 o número de concelhos a exigir certificado nos restaurantes

Jornal i 22/07/2021 15:38

Soma dos munícipios com risco elevado e muito elevado subiu de 90 para 116. Nestes concelhos há recolher obrigatório às 23h e é preciso certificado para entrar nos restaurantes ao fim de semana.

A ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, revelou, esta quinta-feira, após a reunião do Conselho de Ministros, que “o nível de transmissão [da covid-19] é menor do que foi nas últimas semanas" e que "esse movimento é claro no gráfico", sendo que "o vermelho é menos denso do que era há umas semanas".

Por outro lado, "há muitos concelhos acima da incidência de 120 casos por 100 mil habitantes", afirmou.

Portugal tem neste momento 29 concelhos em situação de alerta, 56 com risco elevado, mais 12 que na semana anterior, e outros 61 estão com risco muito elevado, mais 15 do que no balanço anterior.

"Temos hoje 116 concelhos em risco elevado e muito elevado", resume, lembrando que eram 90 na semana anterior.

Mas as regras, lembrou a governante, vão manter-se sem alterações, ou seja não há lugar a novas medidas, pelo menos até à próxima reunião com os especialistas no Infarmed, no dia 27.

Sublinhe-se no entanto que nos concelhos com risco elevado ou muito elevado, agora 116, continua a ser necessário a apresentação de certificado digital da covid-19 ou prova de teste negativo para entrar nos restaurantes às sextas à noite, sábados, domingos e feriados. Além de existir recolher obrigatório às 23h.

Concelhos com risco elevado

Águeda, Alcobaça, Alcoutim, Amarante, Anadia, Arruda dos Vinhos, Avis, Barcelos, Bombarral, Braga, Cadaval, Caldas da Rainha, Cantanhede, Cartaxo, Castelo de Paiva, Castro Marim, Chaves, Coimbra, Constância, Elvas, Estarreja, Fafe, Felgueiras, Figueira da Foz, Guarda, Guimarães, Leiria, Marco de Canaveses, Marinha Grande, Mogadouro, Montemor-o-Novo, Montemor-o-Velho, Murtosa, Óbidos, Ourém, Ovar, Paços de Ferreira, Paredes de Coura, Penafiel,  Porto de Mós, Rio Maior, Salvaterra de Magos, Santa Maria da Feira, Santarém, Santiago do Cacém, São João da Madeira, Serpa, Torres Vedras, Trofa, Valpaços, Viana do Castelo, Vila do Conde, Vila Real, Vila Viçosa e Vizela. 

Municípios com risco muito elevado

Albergaria-a-Velha, Albufeira, Alcochete, Alenquer, Aljustrel, Almada, Amadora, Arraiolos, Aveiro, Azambuja, Barreiro, Batalha, Benavente, Cascais, Espinho, Faro, Gondomar, Ílhavo, Lagoa, Lagos, Lisboa, Loulé, Loures, Lourinhã, Lousada, Mafra, Maia, Matosinhos, Mira, Moita, Montijo, Nazaré, Odivelas, Oeiras, Olhão, Oliveira do Bairro, Palmela, Paredes, Pedrógão Grande, Peniche, Portimão, Porto, Póvoa de Varzim, Santo Tirso, São Brás de Alportel, Seixal, Sesimbra, Setúbal, Silves, Sines, Sintra, Sobral de Monte Agraço, Tavira, Vagos, Valongo, Vila do Bispo, Vila Franca de Xira, Vila Nova de Famalicão, Vila Nova de Gaia, Vila Real de Santo António e Viseu.

Concelhos em alerta

Aljezur, Almeirim, Almodôvar, Amares, Beja, Bragança, Celorico de Basto, Cinfães, Cuba, Entroncamento, Esposende, Évora, Freixo de Espada à Cinta, Mealhada, Miranda do Douro, Mirandela, Montalegre, Moura, Odemira, Oliveira de Azeméis, Pombal, Ponte de Lima, Póvoa de Lanhoso, Resende, São João da Pesqueira, Tomar, Torres Novas, Vale de Cambra, Vila Pouca de Aguiar.

 

Lisboa e Vale do Tejo "fora de trajetória crescente"

Mariana Vieira da Silva sublinhou ainda que o objetivo de massificar a testagem foi alcançado em julho, mês no qual se realizaram mais rastreios à covid-19.

Em relação Lisboa e Vale do Tejo, a governante fez questão de salientar que a região, apesar de continuar a registar o maior número de casos diários do país, já "está fora de trajetória crescente", interpretando esse facto como “um sinal de que é possível inverter este caminho. É por isso que procuramos fazer este caninho. E é isso que procuramos continuar a fazer", acrescentou.

Sobre o tema do momento: a vacinação de menores, Vieira da Silva lembrou que o Executivo "ainda aguarda parecer técnico da DGS".

Recorde-se que o primeiro-ministro deixou claro, na quarta-feira no Parlamento, que já está tudo preparado para vacinar os adolescentes entre os 12 e os 17 anos entre 14 de agosto e 19 de setembro, antes do início do ano letivo.

Consulte na íntegra o comunicado do Conselho de Ministros com a atualização do risco nos concelhos e as novas medidas aprovadas pelo Governo.

Ler Mais


Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×