6/12/21
 
 
Calor. O tempo quente pede atividades bem fresquinhas

Calor. O tempo quente pede atividades bem fresquinhas

Se há quem goste muito de calor, há quem não conviva bem com altas temperaturas. No entanto, o tempo quente não impede que se feche em casa de ar condicionado ou ventoinhas ligadas. Há várias atividades que se podem fazer e algumas podem ser bem refrescantes. Piscinas, praias, visitas a museus ou ao oceanário ou até um passeio de barco. Vale tudo menos ficar parado em casa. No entanto, importante não esquecer que a pandemia ainda não acabou e que há regras a serem cumpridas. O i fez algumas pesquisas na zona de Lisboa e arredores e deixa-lhe várias sugestões para que, neste tempo de altas temperaturas, possa aproveitar sem passar muito calor. E já sabe: hidratar nesta altura é muito importante.

Piscinas com gosto salgado

Alimentadas a água do mar, as piscinas oceânicas são ideais para quem quer ir a banhos num ambiente controlado e sem acumular areia no corpo. De Oeiras a Sintra, as opções são muitas, a dificuldade vai ser escolher. A Piscina Arribas é uma das maiores da Europa (com cerca de 100 metros) e fica mesmo em cima da Praia Grande. Para os mais aventureiros a Piscina Oceânica de Oeiras tem quatro pranchas de mergulho. Em alternativa, a Piscina das Azenhas do Mar está envolvida por um casario que lembra as paisagens da Sicília num cenário capaz de conquistar qualquer um.

Um canto sossegado no Tejo

Calor é sinónimo de areais cheios, mesmo em tempo de pandemia. Mas isso não quer dizer que não possa escapar às multidões. As praias fluviais, menos conhecidas ou de difícil acesso, são uma opção a ter em conta. Basta estar disposto a fazer uma viagem de carro. No Barreiro, pode apreciar a paisagem do rio com Lisboa como pano de fundo a partir da Praia do Clube Naval. Já à saída do Samouco, vai encontrar uma praia fluvial com um parque de merendas encostado ao areal. Para quem não se importa de fazer mais uns quilómetros, a Praia do Rosário, na Moita, é a última praia do rio Tejo e é a que tem o areal mais extenso, por isso não terá dificuldade em estender a toalha.

Um batismo no mar para os irrequietos

Há quem goste de relaxar e depois há aqueles que não gostam de estar muito tempo parados. Se pertence a esta última categoria, então talvez esteja na altura de arriscar num desporto marítimo. Para quem tem bom equilíbrio, na  Baía de Cascais há um batismo de Stand Up paddle que, como o nome indica, se pratica em pé numa prancha. Em Sesimbra, no centro de mergulho da Nautilus, pode também experimentar o batismo de mergulho num mar de águas límpidas que não vai deixar nada por revelar. 

Para matar a sede e sobreviver ao calor

Por vezes a melhor solução para se refrescar é mesmo beber um copo de água. E haverá melhor sítio para o fazer do que nos edifícios do Museu da Água? Tanto o Reservatório da Patriarcal no Jardim do Príncipe Real como o Reservatório da Mãe d’Água das Amoreiras estão entre os locais mais frescos da capital. Este último espaço tem até uma cascata interior e um espelho de água. Além disso, no Aqueduto das Águas Livres poderá descobrir um pouco da história do abastecimento de água da cidade de Lisboa e ainda apreciar a engenharia e arquitetura barroca do século XVIII.

Ver os pinguins no Oceanário

Se não é fã de grandes temperaturas e se o calor lhe faz alguma confusão, então um dos lugares ideias (e talvez até dos mais divertidos) é a zona dos pinguins no Oceanário. Caso não saiba, aqui as temperaturas nunca passam dos 16. ºC, uma temperatura bem agradável tendo em conta que, na rua, podem ultrapassar os 40.ºC. A justificação está relacionada com as criaturas que lá vivem: é que os pinguins não gostam de temperaturas muito altas. E se puder aliar o ambiente fresquinho a um convívio com estes seres adoráveis, por que não? Ideal para adultos e crianças.

Cabelos ao vento pelo Tejo

Num dia mais quente é muito comum a opção pela praia. Mas esta não é a única solução. São várias as alternativas existentes para dar uma voltinha pelo Tejo de barco. E mesmo com o calor, a brisa que se faz sentir já dá uma ajudinha. A título de exemplo, a Tagus Cruises conta com vários passeios regulares em veleiro com partidas todos os dias do ano. A Tour Cristo Rei leva-o desde Belém até ao monumento do Cristo Rei passando por baixo da Ponte 25 de Abril onde poderá desfrutar de uma vista panorâmica de Lisboa. Este é apenas um dos vários exemplos que a capital lisboeta tem para oferecer. 

Aliar o fresco à arte nunca foi má ideia

Uma coisa é certa: dentro de um museu não vai morrer de calor. E em Lisboa são várias as opções em que pode aliar o fresco à cultura. A Fundação Calouste Gulbenkian, o Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT), o Museu do Fado ou o Museu do Azulejo são alguns das dezenas de exemplos que existem na capital Portuguesa. Para lhe aguçar o apetite, a Fundação Calouste Gulbenkian conta com a exposição de artistas mulheres portuguesas que mostra duas centenas de obras de 40 artistas desde o início do século XX até aos nossos dias. Pode ainda visitar o jardim – que conta várias histórias – e aproveitar as suas sombras.

Os melhores sítios para piqueniques 

Os melhores sítios para piqueniques As restrições para combater a covid-19 apertaram e, por isso, estar sentado numa esplanada depois das 15h30 não é opção para superar esta vaga de calor que se aproxima. No entanto, fazer um piquenique com a família não é impedimento e pode aproveitá-lo em vários sítios de Lisboa, sempre à sombra, claro. Pode aproveitar o jardim do Monsanto, o Parque da Bela Vista, Jardim da Estrela, Parque Quinta da Granja entre muitos outros. Se se mantiver à sombra, hidratado e cumprindo todas as regras impostas pela DGS, não há motivos para não o fazer.

*Editado por Sónia Peres Pinto

Ler Mais


×

Pesquise no i

×