1/8/21
 
 
José Paulo do Carmo 28/05/2021
José Paulo do Carmo

opiniao@newsplex.pt

O dilema Cristiano Ronaldo

Cristiano Ronaldo é e será para sempre um símbolo do país. Um exemplo de que com muito esforço, suor e dedicação (a juntar ao indispensável talento) é possível chegar lá.

Cada vez que um tema relacionado com o “mundo CR7” vem à baila exacerbam-se paixões e ódios. Agora, sobretudo com as redes sociais, é ver os invejosos, os rancorosos os lamechas e os fanáticos, tudo em grande salganhada. Eu não faço parte do grupo dos que andam desde que saiu do Real Madrid a vaticinar o fim de carreira, ou dos que andam a dizer há um par de anos que está velho e acabado.

Mas também não pertenço à falange de apoiantes que acham que vai durar para sempre e que retirá-lo da equipa sob as mesmas premissas de todos os outros é um crime de lesa-pátria ou que não se pode dizer nada sobre o jogador português que somos logo apelidados de ingratos.

Cristiano Ronaldo é e será para sempre um símbolo do país. Um exemplo de que com muito esforço, suor e dedicação (a juntar ao indispensável talento) é possível chegar lá. E lá é o topo. Onde todos querem estar mas muito poucos atingem. E deve ser um orgulho para nós a forma como ele sempre se refere ao nosso país, com palavras queridas e que revelam o sentimento que lhe vai na alma e que faz questão de não esconder.

Mas também é verdade que pela sua competitividade absolutamente extraordinária, pela sua vontade de vencer e a sede que demonstra em cada momento de ser peça indispensável, é-lhe muito doloroso sentir que aqui e ali vai baixando de produtividade, que as pernas já não respondem da mesma forma e que por vezes é melhor descansar. E muito mais complicado será de entender que por eventuais opções do treinador por vezes terá que se sentar no banco ou ser substituído mais cedo do que seria sua vontade.

Na minha opinião, hoje em dia a seleção nacional joga melhor quando Cristiano não está. E provavelmente a maior parte da culpa nem será dele. Claro que já não pressiona tanto, mas mais do que isso quando o nosso capitão está em campo parece que exerce um poder tal sobre os outros, que existe uma obrigação de lhe passar a bola mesmo quando existem jogadores mais bem posicionados.

Parece que alguns se escondem mais ou têm receio de o ofuscar. E com isso, uma seleção que está recheada de jogadores formidáveis não se liberta ao máximo e não consegue explanar o futebol que as suas individualidades conseguiriam supor. Isso prejudica as nossas ambições e também não deve ser confortável para o próprio jogador.

É por isso fundamental, primeiro que o jogador seja tratado como qualquer outro. Se está bem joga, se não está joga menos. E que se deixem de medos de ferir suscetibilidades porque um fenómeno como Ronaldo não merece que o tratem com complacência. A exigência deve ser sempre máxima, independentemente de tudo o que ele nos deu e que nós agradecemos.

A campanha portuguesa no Euro, que se irá iniciar daqui por uns dias, muito irá depender dessa capacidade que Fernando Santos terá em gerir este dilema. E não me parece que ele esteja muito preparado para isso. Nós adoramos os nossos ídolos mas infelizmente eles não duram para sempre. Pelo menos não da mesma forma. Nós (como eles) temos que aceitar isso em prol de um bem superior.


Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×