20/6/21
 
 
Groundforce. Casimiro quer devolução dos equipamentos e restituir os sete milhões à TAP em prestações

Groundforce. Casimiro quer devolução dos equipamentos e restituir os sete milhões à TAP em prestações

João Amaral Santos 28/04/2021 15:44

O presidente da Groundforce, Alfredo Casimiro, vai anular o acordo com a TAP. O privado está confiante que vai resistir à frente da empresa de gestão de bagagens do grupo TAP: tem salários de maio garantidos e promete contratar a partir de junho.

O presidente da Groundforce, Alfredo Casimiro, vai anular o acordo com a TAP: o i sabe que a proposta do acionista privado da empresa de handling prevê que volte tudo à estaca zero. Ou seja, a TAP devolve os equipamento à Groundforce e esta última restitui à companhia aérea os 6,97 milhões do negócio, mas, neste caso, só aceita fazê-lo através de um plano faseado de pagamento.

Segundo apurou o nosso jornal, o volte-face teve base a interpretação do Conselho Fiscal e dos consultores (da Deloitte) da Groundforce que alegam a invalidade do contrato por retirar à empresa possibilidade para que desenvolva a sua atividade.

A nova posição da Groundforce foi formalmente apresentada, ontem, numa reunião de acionistas convocada de urgência por Alfredo Casimiro, e que ainda decorria à hora do fecho desta edição – por isso não foi possível apurar a posição da TAP e Governo face aos novos desenvolvimentos.

Recorde-se que o acordo assinado entre as partes em finais de março consistiu na compra pela TAP de material da Groundforce – como tratores, rebocadores (designados push backs), escadas e autocarros, entre outros – por 6,97 milhões de euros, que depois passou a subalugar à própria empresa de gestão de bagagens por um valor mensal de 461 mil euros. 

O acordo foi, na altura, a forma encontrada para que fosse injetado de imediato dinheiro na Groundforce, permitindo pagar os salários em atraso de fevereiro e os de março aos 2400 trabalhadores da empresa de handling (mais os impostos referentes a março) – o contrato também previa a possibilidade de os equipamentos poderem ser recomprados pela Groundforce no prazo de até 60 dias.

Casimiro garante ordenados e contratações Apesar das notícias que vieram a público nas últimas semanas, dando conta que Alfredo Casimiro estava em negociações com três empresas internacionais para se desfazer da parte que detém na Groundforce, o i sabe que o acionista privado está agora mais confiante que “o pior já passou”, e acredita que pode ir à boleia da retoma gradual e progressiva prevista para os próximos meses no setor da aviação, para resistir à frente da empresa de gestão de bagagens do grupo TAP.

O nosso jornal apurou que Alfredo Casimiro (que detém 50,1% da Groundforce através da Pasogal, enquanto os restantes 49,9% pertencem à TAP) garante ter assegurado o dinheiro para pagar os salários de maio aos trabalhadores (e também a verba para fazer face aos impostos referentes a esse mês).

Contra todas as expectativas, o empresário tem mesmo confidenciado junto de colaboradores mais próximos que, perante as mais recentes estimativas, está disponível para contratar já a partir de junho, de forma a corresponder ao aumento da atividade –  devendo, para isso, recorrer a alguns dos quase mil trabalhadores que viram os seus contratos a termo terminar quando a crise estalou. 

Ler Mais


Especiais em Destaque

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×