18/5/21
 
 
A humanidade precisa "urgentemente de um tratado internacional para as pandemias", frisou António Costa

A humanidade precisa "urgentemente de um tratado internacional para as pandemias", frisou António Costa

Jornal i 21/04/2021 21:37

Na sua intervenção na XXVII Cimeira Ibero-Americana, o primeiro-ministro português afirmou que Portugal está a esforçar-se, em conjunto com a União Europeia, para que o mundo se vacine contra a covid-19 e apontou as várias prioridades da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia.

Para António Costa, a humanidade deve retirar uma lição deste ano que viveu com uma pandemia: é preciso “urgentemente de um tratado internacional para as pandemias”, afirmou o primeiro-ministro na sua intervenção na reunião plenária da XXVII Cimeira Ibero-Americana.

"Um tratado para que no futuro não tenhamos que improvisar ou reagir na emergência, como tem sido feito com muito custo ao longo deste ano”, assinalou António Costa.

O líder do executivo disse que Portugal está a esforçar-se para que haja uma vacinação contra a covid-19 a nível global, através da contribuição conjunta da União Europeia com o projeto Covax, "mas também diretamente no apoio aos Países Africanos de Expressão Portuguesa (PALOP) e Timor-Leste, para onde serão redirecionadas cinco por cento das vacinas adquiridas por Portugal".

"Também no âmbito da nossa presidência do Conselho da União Europeia, temos impulsionado a criação de um Mecanismo Europeu de Partilha de Vacinas, através do qual os Estados-Membros poderão canalizar vacinas para países terceiros, sendo a América Latina uma das regiões prioritárias", referiu Costa.

É sob a alçada da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia, que o primeiro-ministro espera concretizar várias prioridades como a inauguração do cabo submarino digital Ellalink, que irá ligar Portugal e Brasil.

"Com amarrações em Fortaleza (Brasil) e em Sines (Portugal), o cabo reforçará a conectividade entre a Europa e a América Latina, constituindo um novo traço de união crucial para o futuro das nossas sociedades e economias, com relações cada vez mais densas e orientadas para uma prosperidade partilhada. Este é um símbolo da ligação ibero-americana. Com este cabo ficamos ainda mais próximos", sublinhou António Costa.

Entre as prioridades da presidência portuguesa, também estão “a modernização do acordo de amizade com o Chile, a conclusão do acordo comercial com o México e do acordo sobre o documento complementar com o Mercosul", definiu o líder do executivo.

Em relação ao último, Costa realçou: "é o acordo comercial de maior impacto económico a nível mundial".

No espaço ibero-americano "cooperam Estados de língua portuguesa e de língua espanhola, sendo essencial valorizar o equilíbrio das duas componentes linguísticas e a sua projeção no mundo, com o peso conjunto de 600 milhões de falantes, dos quais 260 são lusófonos", frisou António Costa na sua intervenção.

"O aprofundamento da dimensão lusófona enriquecerá a nossa organização e, por esse motivo, saudamos os movimentos de aproximação que têm sido dados nos dois sentidos, incluindo a candidatura da Comunidade Ibero-Americana (CIB) a observador associado da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) e a candidatura da CPLP a observador consultivo da CIB", evidenciou.

Segundo o primeiro-ministro, Portugal "tem melhorado o nível e qualidade da sua participação no projeto ibero-americano".

"Desde logo, através da abertura do escritório da Organização dos Estados Ibero-americanos para a educação, a ciência e a cultura em Portugal e de um maior envolvimento nos programas setoriais", realçou.

Ler Mais


Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×