8/5/21
 
 
Canal do Suez desbloqueado. Ever Given retoma viagem

Canal do Suez desbloqueado. Ever Given retoma viagem

Daniela Soares Ferreira 29/03/2021 19:27

Durante quase uma semana o Ever Given bloqueou o Canal do Suez. A mega operação de resgate foi realizada com sucesso mas serão precisos três dias para que o ‘trânsito’ volte à normalidade. Analistas ouvidos pelo i falam de “efeito passageiro”, preços do petróleo e produtos em falta.

Quase uma semana depois e após uma mega operação de resgate, o Ever Given – navio que bloqueava o Canal do Suez, uma das mais importantes rotas comerciais do mundo, há quase uma semana – vai finalmente seguir caminho. São boas notícias para o comércio internacional e, para trás, ficam longos dias de espera e o susto de que a economia nacional pudesse também ser fortemente afetada.

Sete horas depois de o porta-contentores com 400 metros de comprimento, 59 metros de largura e 224 mil toneladas de peso ter começado a flutuar que as autoridades egípcias confirmaram o seu desbloqueio e as embarcações em espera vão poder começar a movimentar-se.

A verdade é que este ‘trânsito’ no Suez acabou por prejudicar as cadeias de abastecimento mundiais. Ao i, Nuno Mello, analista da corretora XTB explica que, apesar da desobstrução do canal “futuras obstruções, no contexto atual, deverão ter um efeito passageiro”. E explica alguns motivos para que isso tenha acontecido: “O primeiro porque muitos países da Europa, tais como Alemanha, França, Itália e Polónia (e também em algumas regiões da Índia por exemplo), voltaram a impor medidas de confinamento o que leva a uma menor procura por petróleo e o segundo porque os inventários de petróleo estão em níveis históricos bastante elevados, comparativamente com outros anos”.

O analista relembra até que, na quarta-feira passada, o Energy Information Administration (EIA) reportou o quinto aumento semanal consecutivo nos inventários de crude, “que atualmente são de 503 milhões de barris, cerca de 6% acima da média para este período do ano”.

Por último, defende Nuno Mello, “teremos a reunião da OPEP [Organização de Países Exportadores de Petróleo] nesta quinta-feira e espera-se que reduzam ligeiramente a produção de modo a compensar a falta de procura por parte dos países emergentes e o aumento das exportações do Irão”.

Mas mesmo apesar de o navio gigante ter agora desencalhado, João Queiroz, Head of Trading do Banco Carregosa diz que “o caráter transitório dos efeitos deste evento poderá ser mais evidente que o impacto de médio e longo prazo tenderá a ser neutral atendendo que existem inventários de produtos pela contração da procura e menor consumo pelo impacto da pandemia”.

O responsável acrescenta ainda que “os preços dos contratos de futuros de crude e de gás natural de abril sugerem que poderemos ter mais uma a duas semanas sendo o segundo desafio o de retomar o fluxo de navios que se encontra a aguardar pela retoma do tráfego e que vai criar um ‘engarrafamento marítimo’”.

 

Quais os principais problemas deste bloqueio?

Agora que o navio desencalhou serão vistos os verdadeiros impactos deste incidente. “Os principais impactos passam pelo transitório aumento dos preços dos produtos que se encontram pendentes de fornecimento, porque se encontram parados em contentores no canal”, diz João Queiroz. No entanto, à medida “que os inventários existentes se forem reduzindo nas cadeias de logística baseadas próximos dos consumidores com reposição das entregas, então teremos um regresso aos anteriores valores”.

O responsável fala ainda um “acréscimo de energia que se encontra dedicada na preservação da qualidade dos produtos pendentes de entrega, como os exemplos do gado ou dos vegetais, com neutralidade do impacto no longo prazo pelo retomar da circulação. No médio longo prazo o impacto deverá ser neutral embora em alguns setores reforce a necessidade já sentida de ter maior proximidade entre produção e consumidor. Sobretudo, quando afete produtos e serviços essenciais e estratégicos”, diz.

 

E os preços do petróleo?

Pouco depois de o navio ter encalhado, o preço do petróleo mostrou várias subidas. Mas as boas notícias registadas no dia de ontem levaram a que o “impacto tenha sido bastante diminuto no mercado petrolífero uma vez que os inventários de petróleo estão em níveis históricos bastante elevados, comparativamente com outros anos, o que acabou por absorver esta disrupção temporária do lado da oferta”, diz Nuno Mello.

Por seu turno, João Queiroz lembra que “as cotações do crude e de outras mercadorias que anteriormente corrigiam com as subidas dos juros nos EUA, pela via da apreciação do dólar, encontraram neste bloqueio um suporte por via de um constrangimento da oferta atendendo que o canal constitui uma importante via que permite canalizar as exportações do Médio Oriente (Arábia Saudita, Irão, Iraque, Kuwait, Emiratos Árabes Unidos) para a Europa e EUA, embora as petrolíferas possuam elevados valores de inventário e de reservas estratégicas, pelo impacto da pandemia na menor mobilidade das sociedades, e países como Nigéria ou a Rússia (esta segunda é o maior fornecedor da Europa), passaram a constituir soluções relevantes”.

 

O futuro

Apesar de o Ever Given já ter desencalhado, vão ser ainda precisos três dias para que a circulação das restantes embarcações presas no trânsito volte à normalidade. A verdade é que este canal é responsável por 12% da economia mundial e muitos produtos podem registar atrasos nas suas entregas. “Quase todos os bens que são transportados dos países produtores como os exemplos dos móveis, passando pelo gado, produtos agrícolas como chá e café, peças sobressalentes ou vestuário. As quebras no consumo por impacto da pandemia provocou um crescimento de inventários que podem ter agora a maior possibilidade de serem escoados pelo que apenas os produtos perecíveis tenderiam a ser mais impactados”, diz João Queiroz.

Já Nuno Mello lembra que “os produtos mais afetados pela obstrução do canal foram o petróleo e produtos petrolíferos refinados e as commodities agrícolas tais como o trigo, o milho, a soja e o arroz”, podem ser os produtos a esgotar com mais facilidade.

Aliás, segundo o site Marine Traffic, milhares de ovelhas, móveis do IKEA, chá e petróleo esperavam que este navio gigante desencalhasse. Podem agora seguir caminho.

 

Canal do Panamá não prevê impactos

Depois do bloqueio do canal do Suez rapidamente veio ao de cima a importância destes canais para o comércio mundial. O Canal do Panamá é um desses exemplos, mas não prever impactos no seu negócio por causa do acidente no Canal de Suez. “São dois mercados separados. Muito do comércio que passa pelo Suez, geralmente não tem impacto no volume de comércio que passa pelo Canal do Panamá”, disse Ricaurte Vásquez, administrador do Canal do Panamá.

Este canal é usado há mais de 100 anos para encurtar a distância entre o Atlântico e o Pacífico e é uma peça-chave no comércio marítimo. Através dele, os navios podem atravessar em dez horas uma faixa de terra de 80 km na América Central que separa o Atlântico do Pacífico. A alternativa, que é contornar a América do Sul, leva duas semanas.

Ler Mais


Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×