21/4/21
 
 
"Portugal não está livre de uma quarta vaga" de covid-19, diz epidemiologista

"Portugal não está livre de uma quarta vaga" de covid-19, diz epidemiologista

Jornal i 04/03/2021 19:30

 "Quando começamos a desconfinar, é inevitável que o número de contágios vá aumentar", afirmou Manuel Carmo Gomes.

O epidemiologista Manuel Carmo Gomes, que até ao mês passado fez parte do grupo de peritos que integra as reuniões do Infarmed sobre a evolução da pandemia de covid-19, afirmou que "Portugal não está livre de uma quarta vaga".

"Quando começarmos a desconfinar, é inevitável que o número de contágios vá aumentar", disse, em declarações à agência Lusa.

O especialista da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa sublinha que o ritmo é agora "mais lento" e que o rácio de transmissibilidade, RT, "tem estado a subir devagar, o que significa que estamos a reativar o número de contágios". "Já não estamos a ir na direcção do 0 e estamos a tender para um planalto", disse.

Carmo Gomes mostrou-se especialmente preocupado com as novas variantes do novo coronavírus – as detetadas no Reino Unido, África do Sul e Brasil –, uma vez que "as mutações fazem com que o vírus se transmita mais".

Para o especialista, a variante britânica "é uma das razões" que explicam o aumento de casos de SARS-CoV-2 em Portugal no mês de janeiro, sustentando que está cientificamente provado que há "uma maior transmissibilidade" porque as pessoas infetadas "têm maior carga viral no trato respiratório viral".

Assim, defende que o desconfinamento deve ser feito faseadamente, com base na avaliação do impacto de cada uma das fases e sem calendários pré-estabelecidos.

Para evitar uma subida das hospitalizações, caso exista efetivamente uma nova vaga de contágios, o investigador defende que o processo de vacinação deverá abranger "mais pessoas no mais curto espaço de tempo" e coloca como hipótese alargar "para seis semanas" o período entre a primeira e a segunda toma, que agora está estipulado nos 28 dias.

"Se o fizermos, temos a possibilidade de vacinar dezenas de milhares de pessoas fragilizadas, que podem ser hospitalizadas se forem infectadas, num mais curto espaço de tempo", disse.

 

Ler Mais


Especiais em Destaque

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×