3/8/21
 
 
Movimentos independentistas tentam manter maioria na Catalunha

Movimentos independentistas tentam manter maioria na Catalunha

Redação 14/02/2021 20:16

Pelas 12 horas, a afluência às urnas não chegava aos 23%.

Mais de 5 milhões e 600 mil eleitores foram chamados às urnas, este domingo, na comunidade autónoma da Catalunha. É de realçar que estas são as quartas eleições em nove anos e as mais atípicas, com os membros das mesas de voto vestidos como os profissionais de saúde de cuidados intensivos num país que conta com mais de 3 milhões de casos de covid-19 detetados desde o início da pandemia e quase 65 mil óbitos.

Saliente-se que os movimentos independentistas tentam manter a maioria que têm há quase dez anos na região, em eleições para o parlamento regional onde é provável que o candidato socialista seja o mais votado, ou seja, Salvador Illa, ministro da Saúde espanhol entre 13 de janeiro de 2020 e 27 de janeiro do ano corrente. Contudo, às 12 horas (em Portugal) a afluência às urnas não chegava aos 23%. Nesse período, mais de 99% das mesas de voto tinham comunicado oficialmente uma percentagem de 22,77% de afluência às urnas, um valor inferior aos 34,69% que se registavam à mesma hora nas eleições de 2017. São quase menos 12 pontos percentuais.

Recorde-se também que, a 1 de outubro de 2017, foi realizado um referendo a respeito da independência da Catalunha. Com 90,09% (2 020 144 votos) o "Sim" venceu o referendo, já o “Não” obteve 7,87% (176 565 votos). A seu lado, os votos em branco somaram 2,03% (45 586) e nulos 0,89% (20 129). No total foram registados 2 262 424 votos. Volvidos nove dias do ato eleitoral, o Presidente da Generalidade da Catalunha Carles Puigdemont declarou independência sem efeito imediato para promover negociações com o restante país. Deste modo, em 27 de outubro, o parlamento catalão votou e aprovou uma resolução de independência e declara independência de Espanha, mas o Senado de Espanha retirou a autonomia à comunidade.

À semelhança daquilo que ocorreu nas eleições presidenciais portuguesas, os eleitores que exerceram o seu direito de voto tinham que se fazer acompanhar por uma máscara de proteção e manter a distância de segurança, sendo que os espaços foram desinfetados regularmente.

Ler Mais


Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×