7/3/21
 
 
Afonso de Melo 30/11/2020
Afonso de Melo

afonso.melo@ionline.pt

Por quem os sinos dobram

Não há vivalma nos passeios, só os pássaros trazem movimento a este universo sem vida, o tempo que não passa, a existência de cada um de nós fechada em decretos, papéis azuis de vinte e cinco linhas, se é que ainda os há, burocraticamente impedidos de voltarmos a ser quem éramos.

Na cidade morta, os sinos dobram. Cá do alto, perco olhar ao longo do rio, também ele parado como se estivesse proibido de circular, tal e qual acontece aos homens. Não há vivalma nos passeios, só os pássaros trazem movimento a este universo sem vida, o tempo que não passa, a existência de cada um de nós fechada em decretos, papéis azuis de vinte e cinco linhas, se é que ainda os há, burocraticamente impedidos de voltarmos a ser quem éramos. Um sol de Verão aquece-me o corpo e dá-me vontade de continuar vivo na cidade morta. O sol-Deus de Turner, o pintor de tempestades.

Cheguei há dias de um país desconfinado que não acredita em máscaras como Moscovo não acreditava em lágrimas. É domingo em Alcácer e, muito provavelmente, em todo o mundo, mais meridiano menos meridiano.

Leia o artigo completo na edição impressa do jornal i. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.


Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×