7/3/21
 
 
Vítor Rainho 26/11/2020
Vítor Rainho

vitor.rainho@ionline.pt

O Deus Maradona silenciou a pandemia

Em Portugal, a pandemia passou para segundo plano e nas televisões os diretos que estavam preparados, como por exemplo a manifestação em frente à Assembleia da República dos homens da noite e da restauração, deixaram de ter interesse.

Foi o maior génio do mundo do futebol – os admiradores de Pelé não concordam – e conseguiu algo inédito no dia de ontem: um pouco por todo o mundo, as capas dos sites dos principais jornais e revistas tinham em manchete a morte de Diego Armando Maradona.

Em Portugal, a pandemia passou para segundo plano e nas televisões os diretos que estavam preparados, como por exemplo a manifestação em frente à Assembleia da República dos homens da noite e da restauração, deixaram de ter interesse.

Maradona era o símbolo máximo da irreverência e talvez por isso quando entrou a toda a velocidade no mundo da cocaína muitos acabaram por menorizar a dependência do craque.

Leia o artigo completo na edição impressa do jornal i. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.


Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×