19/1/21
 
 
Violência doméstica. "Os vizinhos são fundamentais"

Violência doméstica. "Os vizinhos são fundamentais"

Dreamstime Pedro Almeida 23/11/2020 10:12

Denúncias de familiares aumentaram. Com o confinamento e esta fase “incerta” devido à covid-19, vítimas não têm tido liberdade nem margem de manobra para denunciar, diz Daniel Cotrim, psicólogo da APAV. Júlio Machado Vaz chama a atenção para o papel dos vizinhos, que considera “uma ajuda preciosa”.

Entre janeiro e setembro de 2020, a Polícia de Segurança Pública (PSP) registou um total de 11100 ocorrências de violência doméstica – uma diminuição de 8,58% em relação ao período homólogo de 2019. Devido ao confinamento provocado pela pandemia de covid-19 – principalmente em março e abril – era expectável que se registasse um aumento deste valor. Mas o que tem acontecido atualmente é um crescimento das denúncias por parte de familiares, amigos e colegas de trabalho e não das próprias vítimas. Ao i, Daniel Cotrim, psicólogo da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV), sublinha que os momentos “mais incertos” da pandemia, tais como o confinamento, fizeram com que as vítimas perdessem a liberdade de poder denunciar, uma vez que estavam constantemente com os agressores.

“Um dos números que tem variado este ano é precisamente os das queixas e denúncias por parte de terceiros:_tem existido um aumento de pedidos de ajuda por familiares, amigos e colegas de trabalho. É uma realidade que já não víamos há muito tempo, apesar da grande maioria das denúncias continuar a ser feita pelas vítimas”, considera, notando que algumas medidas de prevenção contra a covid-19 acabaram por prejudicar quem sofre de violência doméstica. “O teletrabalho, por exemplo, como medida restritiva e necessária do ponto de vista sanitário, fez novamente com que muitos casais ficassem de novo em casa, ou seja, a vítima com a pessoa agressora, o que diminui o facto de as pessoas conseguirem pedir ajuda”. E acrescenta: “Aquilo que se está a passar neste momento é que está a diminuir novamente o número de denúncias por ser um período um bocadinho incerto. com as questões económicas e da própria pandemia. Com isto tudo, as pessoas ficaram mais paralisadas a tomar uma decisão”.

Leia o artigo completo na edição impressa do jornal i. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.

Ler Mais


Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×