19/1/21
 
 
Tuk-tuks. À espera da sorte (ou de um milagre)

Tuk-tuks. À espera da sorte (ou de um milagre)

Bruno Gonçalves Joana Faustino 23/11/2020 10:06

Tão depressa o negócio apareceu como está a desaparecer. Não por vontade própria, mas por falta de clientes. Os tuk-tuks que invadiam Lisboa como formigas tornaram-se uma espécie em vias de extinção. Tal e qual como os turistas.

Lola não leva um cliente no seu tuk-tuk há mais de duas semanas. Encontramo-la estacionada em frente à estação ferroviária do Rossio, um ponto onde outrora era difícil circular devido à quantidade de turistas. Agora não há turistas. Fazer o caminho desde a Praça do Comércio até ao Rossio, atravessando a Rua Augusta, já não é complicado. Já não temos de nos desviar de pessoas que andam de um lado para o outro com uma agitação frenética em busca do presente de Natal perfeito. Uma das poucas coisas na capital que se mantêm iguais ao período homólogo do ano passado é o cheiro a castanhas assadas. De resto, a cidade parece outra.

Entre as 9h30 da manhã e o meio dia não vemos passar mais de dez tuk-tuks. É difícil não fazer uma comparação com o tempo em que reclamávamos por quase sermos atropelados pelos condutores entusiasmados que levavam turistas de um lado para o outro. Tempo esse que até parece distante – na realidade, de então para cá não decorreu nem um ano.

A febre dos tuk-tuks invadiu Portugal há pouco menos de uma década. A ideia veio da Tailândia, onde os riquexós se tornaram uma necessidade por serem veículos pequenos que facilmente conseguiriam fintar o congestionamento constante da grande metrópole de Banguecoque. Trazê-los para Lisboa fez sentido. A cidade das sete colinas e das ruas estreitas viu a sua popularidade a crescer do dia para a noite e novas formas de agradar aos visitantes começaram a surgir. Esta foi uma delas.

No entanto, o cenário está bastante diferente agora. Já fez um ano desde que foi noticiado o primeiro caso de coronavírus e entretanto foram muitos os negócios que enfrentaram dificuldades, especialmente no setor do turismo.

Leia o artigo completo na edição impressa do jornal i. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.

Ler Mais


Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×