1/12/20
 
 
Suécia. O alegre cantarolar dos canarinhos da Escandinávia...

Suécia. O alegre cantarolar dos canarinhos da Escandinávia...

Afonso de Melo em Estocolmo 19/11/2020 08:40

Viagem ao longo dos dez anos mais brilhantes da seleção sueca de futebol – 1948 a 1958 –, quando se impôs como das melhores do mundo.

ESTOCOLMO – 1948-1958: os mais belos dez anos da seleção da Suécia. E, muito curiosamente, essa década começou precisamente no ano em que se comemorava um feito fantástico dos suecos, o quarto posto no Mundial de 1938, disputado em França, o último antes da interrupção por causa da ii Guerra Mundial. Em Paris, nas meias-finais, os nórdicos não resistiram aos italianos, que vieram a ser campeões do mundo, perdendo por nítidos 1-5, depois de terem deixado para trás a Áustria (que depois do Anschluss vira os seus grandes jogadores serem absorvidos pela Alemanha nazi e, naturalmente, não compareceu) e Cuba (8-0). Na decisão para o terceiro e quarto postos, nova derrota face ao Brasil por 2-4. Vinte anos mais tarde, ambas as equipas canarinhas, a sul-americana e a europeia, reencontrar-se-iam na final.

Adiantemos as folhinhas do calendário dez anos. O torneio de futebol dos Jogos Olímpicos teve lugar entre 26 de julho e 3 de agosto. A Suécia contava já com as três mais refulgentes figuras da sua história: Gunnar Gren, Gunnar Nordhal e Nils Liedholm, o famoso GRE-NO-LI do ataque do Milan, em Itália. É neles que um treinador inglês de nome George Sidney Raynor aposta para fazer a diferença.

Nessa altura, a discussão sobre a utilização ou não de jogadores profissionais já estava sobre a mesa. Mas não havia qualquer regra que a impedisse. 

Leia o artigo completo na edição impressa do jornal i. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.

Ler Mais


Especiais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×