7/3/21
 
 
Nazaré. História deste e de outros tempos

Nazaré. História deste e de outros tempos

Bruno Gonçalves Rita Pereira Carvalho 11/11/2020 08:35

No século passado, as mulheres não podiam pisar a areia da praia em lazer se os maridos estivessem fora. As tradições foram mudando e, hoje, a areia das praias da Nazaré é pisada todos os dias por centenas de turistas, sobretudo estrangeiros. Da vida de pescador ao turismo das ondas, o mar da Nazaré é sempre a figura central da história.

Quando os homens partiam para o mar, levavam também consigo a liberdade e a esperança das mulheres, que ficavam em terra. Num passado não muito longínquo, Nazaré caminhava desde a terra que lhe deu nome até ao porto de Aveiro só para ver o marido desaparecer no mar. Enquanto os barcos apitavam como sinal de despedida, Nazaré chorava no ombro de outra mulher. “Ai, vai-se embora. Ai, nunca mais volta”, recorda meio século depois, acrescentando que “a saída era o momento mais triste da vida”. O marido da nazarena que fez 73 anos na semana passada voltou sempre da pesca do bacalhau mas, durante os meses que estava fora, Nazaré só usava roupas escuras, a camisa não podia ter botões e nem a areia da praia estava autorizada a pisar. As recordações estão tão vivas que até os episódios mais específicos estão ainda repletos de pormenores. Há 50 anos, quando o marido andava pelo mar a pescar bacalhau, a filha de Nazaré queria ir à praia: “Às vezes, ela estava morta para ir à praia e pedia-me um gelado. E eu estava morta para comer um também. Trazia-o escondido debaixo do xaile para ir comer em casa”. “Não podia comer, não. Era censurada”, acrescentou Maria Júlia, que tal como Nazaré vestia as famosas sete saias. E, à semelhança do marido de Nazaré, também o marido de Maria Júlia se dedicou à vida do mar.

Independentemente da perspetiva temporal, o mar está sempre no centro da Nazaré. Se, no passado, os homens viviam do peixe que o mar dava, o presente e o futuro está marcado pelo desporto que se faz no mar. E a Nazaré transborda de histórias e de tradições que se vão cruzando com a moda das ondas gigantes.

As mulheres que ajudaram a fazer história na Nazaré olham para o passado e para os tempos que hoje correm e não têm dúvidas de que “a tradição foi morrendo com o tempo”. Apesar de não haver muitas mulheres a vestir as sete saias, as nazarenas não dispensam este traje nos dias festivos como o Natal, o Carnaval ou a Páscoa. Mas nem todas podem, ou podiam, usá-las.

Leia o artigo completo na edição impressa do jornal i. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.

Ler Mais


Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×