13/4/21
 
 
Carlos Zorrinho 05/11/2020
Carlos Zorrinho
opiniao

opiniao@newsplex.pt

Queijo suíço

Na imagem do assador ressalta evidente o perigo de algumas sardinhas fundamentais ficarem sem brasa.

Num momento em que, com a assinatura aposta à direita do arco da governação pelo Bloco de Esquerda, alguns compararam, com manifesto exagero, o Orçamento do Estado (OE) para 2021 ao tristemente famoso “Orçamento limiano”, socorro-me da metáfora láctea para exortar os envolvidos, e comprometer-me naquilo que é a minha quota de responsabilidade, a baterem-se para que o Orçamento nacional e o quadro “orçamental” plurianual da União Europeia, ambos em negociação na especialidade, determinem um caminho consistente, claro, mobilizador para a saída da crise, e não saiam da negociação em curso esburacados como um queijo suíço.

Não me refiro à célebre questão do buraco orçamental, ou seja, do défice estimado, que em tempos de pandemia tem uma flexibilidade e uma imprevisibilidade maior, mas à possível erupção de prioridades subfinanciadas em resultado da barganha negocial para garantir a viabilização democrática dos documentos.

Com a fragmentação política que caracteriza o nosso tempo, é natural o risco de que, nas disputas sobre a alocação de recursos escassos a fins alternativos, cada um queira puxar a brasa à sua sardinha. Nesta imagem do assador ressalta evidente o perigo de algumas sardinhas fundamentais ficarem sem brasa suficiente e o pitéu acabar meio cru e imprestável. Por isso, em cada exercício orçamental têm de ser bem claros o rumo, as sinergias, as linhas vermelhas e as bandeiras que virão a dar unidade e identidade ao processo político de execução.

No caso do financiamento da União Europeia quer para a recuperação, quer para a consolidação de uma nova capacidade estratégica e competitiva global, o cronómetro corre célere e é preciso passar depressa das proclamações e de alguns pensos rápidos que têm estancado parcialmente a hemorragia para um acordo interinstitucional robusto que não deixe o essencial a descoberto e sirva de impulso para um novo patamar de integração solidária.

A recuperação e a resiliência têm de resultar de uma aposta consistente na agenda social, na agenda do clima e na agenda digital. Estes são os motores necessários para impulsionar todos os outros processos de modernização, de resposta à crise e de reconexão dos cidadãos com o projeto europeu. A força motriz proveniente dos programas nacionais e dos programas comunitários tem de ser balanceada para assegurar equilíbrio, coerência e capacidade transformadora. Os princípios e os valores fundadores da parceria têm de ser respeitados.

Tem havido e continua a haver muita gente profundamente empenhada em conseguir um bom acordo em tempo útil. Acredito que teremos em breve fumo branco. O referencial estratégico para a década aprovado pelo Governo português é um bom exemplo de uma visão consistente e sem buracos negros que se possam antever.

Também as visões estratégicas aprovadas no plano europeu permitem uma rota de esperança e confiança, mas poderão falhar o alvo se os foguetões de lançamento, ainda que poderosos, forem esburacados pelo taticismo do momento, como se se tratasse de um queijo suíço. Isso não pode acontecer.

Eurodeputado

 


Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×