24/1/21
 
 
Nobby Stiles. O desdentado que caçava a Pantera Negra a patadas

Nobby Stiles. O desdentado que caçava a Pantera Negra a patadas

Afonso de Melo 04/11/2020 08:50

Míope, carregado de cáries e atacado pela calvície desde jovem, tinha tudo para não ser jogador de futebol, mas chegou a campeão do mundo.

No dia 28 de maio de 1968, véspera da final da Taça dos Campeões Europeus entre Manchester United e Benfica, em Wembley, largas linhas eram dedicadas nos jornais à previsível marcação de Nobby Stiles a Eusébio. Afinal, já era assunto repetido: o inglês Norbert Peter Stiles, nascido em Collyhurst a 18 de maio de 1942 (apenas três meses mais velho que a Pantera Negra de Moçambique), recebera a mesma incumbência na meia-final do Mundial de 1966, também em Wembley, no Inglaterra-Portugal (2-1).

O grande Mário Zambujal, um dos enviados especiais a Londres, colocava a questão com clareza: “A imprensa inglesa tem referido com frequência as críticas benfiquistas à forma como Stiles costuma atuar. Será que renunciará às suas habituais violências e truques para provar que também sabe jogar limpo? É uma pergunta a que só o próprio jogo poderá responder, mas julgamos que Eusébio não deixará de se insurgir contra a vigilância apertadíssima e impiedosa”. Bem pôde o pobre Eusébio insurgir-se. Quem rebobina aqueles primeiros 20 minutos dessa final de Wembley, que o United venceria por 4-1 após prolongamento, arrepia-se pela forma como Stiles caçou a sua vítima a patadas como se fosse uma ratazana, com a total complacência de um dos mais conceituados árbitros da época, o italiano Concetto Lo Bello.

Leia o artigo completo na edição impressa do jornal i. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.

Ler Mais


Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×