25/11/20
 
 
Dondinho. "Não chore ainda não, que eu tenho a impressão que o samba vem aí"

Dondinho. "Não chore ainda não, que eu tenho a impressão que o samba vem aí"

Afonso de Melo 28/10/2020 08:43

Em julho de 1950, João Ramos do Nascimento chorava a derrota do Brasil na final do Mundial contra o Uruguai. O filho prometeu-lhe: “Não se preocupa, papai. Vou ganhar essa copa para você”. Seu Dondinho guardava uma façanha que Pelé nunca conseguiu: marcou cinco golos de cabeça num jogo.

Nelson Rodrigues chamou à derrota frente ao Uruguai, na final do Mundial de 1950, num Maracanã assoberbado por mais de 200 mil pessoas, “a Hiroxima do Futebol Brasileiro”. João Ramos do Nascimento, de 32 anos, atacante do Bauru, não aguentou as lágrimas e desatou num pranto do tamanho do caudal do Amazonas. Seu filho, Edson, de dez anos, vendo o pai naquela tristeza toda, fez-lhe uma promessa: “Não chore não, papai. Prometo que vou ganhar essa copa para você!” Parecia Chico Buarque pegando no violão e cantando: “Não chore ainda não, que eu tenho a impressão/ Que o samba vem aí...” Veio mesmo. Oito anos depois, o menino cumpriu a promessa. Ainda não completara 18 anos quando a seleção do Brasil ganhou o Campeonato do Mundo da Suécia, em 1958. Edson já era conhecido por toda a gente como Pelé.

João Ramos também tinha uma alcunha: Dondinho. Não teve nunca a habilidade do filho mais velho – o mais novo, Zoca, teve uma carreira curtinha, no Santos –, mas foi um cabeceador de grande categoria, apenas comparado a Dadá Maravilha, o tal que dizia que só três coisas pairam no ar: “O beija-flor, o helicóptero e ele mesmo, quando saltava na área para fazer golos de cabeça”.

Leia o artigo completo na edição impressa do jornal i. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.

Ler Mais


Especiais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×