1/12/20
 
 
Afonso de Melo 27/10/2020
Afonso de Melo

afonso.melo@ionline.pt

Minha varanda amarga e doce

Agora que, a pouco e pouco, O céu muda de tom, cada vez mais esta varanda é a minha varanda amarga e doce, com licença do meu querido Fernando Tordo. É tarde-noite. Mudam-me as horas e eu não quero mudar de horas, não quero este nunca mais acabar de pequenos fascismos que irão tornar-se fascismos por inteiro quando a gente acordar certo dia com a aflição incontida no peito de não mais saber o que fazer. Lembram-se do menino doente, acamado, do conto de Augusto Gil? Todas as manhãs pedia à ama: “Ama, vai à janela e diz-me: ainda há mundo?” Eu também pergunto: ainda há mundo? Pela janela vejo um risco azulejando por entre nuvens onde talvez nasça a primeira estrela da tarde. Anoiteço com esta merda do meridiano de Greenwich e suas omnipotentes vontades, eu que me estou nas tintas para Greenwich, que desobedeço a Greenwich, que defino o meu próprio fuso horário. Larguem-nos! Parem de nos agarrar pelos braços, como dizia Álvaro de Campos. 

Leia o artigo completo na edição impressa do jornal i. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.


Especiais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×