7/3/21
 
 
Bares e discotecas. A noite precisa de vida, ou então morre

Bares e discotecas. A noite precisa de vida, ou então morre

Raquel Wise Rita Pereira Carvalho 15/10/2020 08:44

No dia 14 de março, os espaços de diversão noturna fecharam portas. Sem data de abertura no horizonte, os donos dos espaços e os profissionais do setor pedem um programa de apoio financeiro. Alguns espaços já fecharam e outros podem fechar se não chegar ajuda. Este sábado há manifestações em Lisboa, no Porto, em Viseu e em Évora.

Há sete meses que ninguém se diverte no meio de uma pista cheia. E de copo cheio. Desde o dia 14 março que os bares e discotecas não são palco de multidões que dançam, que conversam, que se tocam, animados. Foram os primeiros a fechar, serão os últimos a abrir e o aumento do número de casos vai diminuindo todas as hipóteses de uma discoteca voltar a ser o que era, pelo menos nos próximos tempos.

As portas fechadas não trazem o dinheiro indispensável para pagar as despesas fixas, como funcionários, fornecedores, arrendamento de espaço, ou outras contas. E há já casos de bares e de discotecas que fecharam definitivamente. É o caso do Sabotage, em Lisboa, que depois de sete anos de atividade foi obrigado a encerrar as portas de vez. O mesmo aconteceu com o Club de Vila Real, que não resistiu à pandemia e foi a primeiro espaço dedicado à música ao vivo a encerrar neste contexto. O Popular, em Alvalade, e o Decibel, em Setúbal, seguiram o mesmo caminho – o do fim.

Leia o artigo completo na edição impressa do jornal i. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.

Ler Mais


Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×