1/11/20
 
 
13 de outubro de 1951. Os portugueses tomavam conta da cidade de Leopoldo

13 de outubro de 1951. Os portugueses tomavam conta da cidade de Leopoldo

Afonso de Melo 13/10/2020 08:42

A súbita atração lusitana pelo Congo Belga levou à cada vez maior importância no seio da sociedade local. Ao ponto de se acusar o principal pintor indígena, de nome Mongita, de plagiador do simpático artista Marques.

Leopoldville, a capital do Congo Belga, estava na moda. E os portugueses também. Os portugueses que lá viviam, como está bem de ver. De um momento para o outro, a comunidade lusa da cidade que se transformaria em Kinshasa, ganhara uma força social imponente. “Pode dizer-se que o português tem acompanhado tenazmente o belga no desenvolvimento da vida comercial e política do Congo”, relatava com orgulho um enviado-especial ao território. “Hoje mesmo, apesar da atracção que o Congo tem exercido sobre o emigrante europeu, os portugueses detêm ainda as percentagens maiores das estatísticas demográficas da colónia”. Não há estatísticas sem números, por isso vamos a eles. Entre os 59.157 dos indivíduos que constituíam a população não indígena do Congo, 3.482 eram portugueses. Bem longe dos mais de 44 mil belgas que lá viviam, mas ainda assim uma comunidade assinalável. Havia muitos ingleses e americanos, asiáticos de várias proveniências, mas a terceira população em número era grega, algo bastante curioso.

Mas, afinal, a que atividades se dedicavam esses milhares de portugueses que tinham escolhido Leopoldville para prosseguir as suas vidas? De tudo um pouco.

Leia o artigo completo na edição impressa do jornal i. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×