29/10/20
 
 
Afonso de Melo 30/09/2020
Afonso de Melo

afonso.melo@ionline.pt

Não gosto de guarda-chuvas

Não gosto que não seja verão. Não gosto que os dias fiquem curtos e me mudem as horas por mais que teime em não aceitar intimamente essa mudança. Não gosto que a minha varanda deixe de estalar de sol e que os pardais parem de brigar pelos grãos de arroz que lhes deixo no parapeito.

O mundo parou e as nuvens escuras sobre ele. Bem podem garantir-me que viajo, neste momento preciso, a 29,78 quilómetros por segundo em redor do Sol que não estou disposto a acreditar nisso, até porque não vejo o sol, só uma mancha cinzenta que caiu sobre o Sado como um daqueles cobertores de papa do tempo em que existiam baús nas casas dos avós. Não sei se as andorinhas já fizeram as malas, preparando-se para partir em direção a outro verão qualquer que substitua este que, entretanto acabou por aqui. Não gosto que não seja verão. Não gosto que os dias fiquem curtos e me mudem as horas por mais que teime em não aceitar intimamente essa mudança. Não gosto que a minha varanda deixe de estalar de sol e que os pardais parem de brigar pelos grãos de arroz que lhes deixo no parapeito. Quero, eu também, voar para qualquer lado onde se ferva de calor e a roupa se cole à pele por imposição do suor, mas o mundo está parado e nada anda sobre a sua superfície, transformada numa floresta de medos para mim incompreensíveis e inaceitáveis.  

Leia o artigo completo na edição impressa do jornal i. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×