1/11/20
 
 
Trinh Xuan Thuan e a vertigem cósmica

Trinh Xuan Thuan e a vertigem cósmica

Carlos Fiolhais 28/09/2020 15:03

O astrofísico Trinh Xuan Thuan lançou recentemente A Vertigem do Cosmos, uma obra de popularização da astrofísica que relata como as observações e medidas do céu se foram ampliando ao longo do tempo. E, com elas, o nosso entendimento do cosmos.

 

O infinito sempre nos perturbou. É uma noção que tem desafiado a matemática, a física, a filosofia e a teologia. Na matemática, a noção de infinito decorre desde logo do facto de a sucessão dos números naturais 1, 2, 3… nunca acabar. Um infinito pode conter o outro: o conjunto desses números é infinito, mas ele contém dentro deles o conjunto dos números pares, 2, 4, 6…, que também é infinito. E os números reais, que contêm os naturais, são também em número infinito. 

Na física, uma questão perturbadora tem sido a aplicação do conceito de infinito ao espaço e ao tempo. A teoria da relatividade geral de Albert Einstein prevê infinitos (“singularidades”) no espaço e no tempo, nos chamados buracos negros e nesse evento primordial de onde tudo veio, o buraco branco que foi o Big Bang, ocorrido há 14 mil milhões de anos. Os astrofísicos concordam hoje que vivemos num Universo que, no tempo, é “semi-infinito”, isto é, infinito para a frente, mas não infinito para trás, porque começou a certa altura. Como não temos acesso a nenhuma informação anterior, não podemos dizer nada sobre o hipotético tempo anterior. E mesmo sobre os primeiros instantes do Universo podemos dizer muito pouco. Por outro lado, no que respeita ao espaço permanece a questão de saber se o Universo é finito ou infinito. Talvez seja infinito, mas não temos a certeza. Se é infinito, começou logo infinito. No entanto, devido ao Big Bang, só podemos observar dentro de um certo horizonte, uma superfície esférica com 42 mil milhões de anos-luz de raio, mais do que 14 mil milhões porque o universo está em expansão. 

O infinito sempre nos causou vertigens. Ao olharmos para o céu, não podemos deixar de pensar na extensão do espaço sideral. Blaise Pascal declarou: “O silêncio eterno desses espaços infinitos assusta-me”. Se olharmos para as fotografias proporcionadas pela NASA do “campo profundo” do telescópio espacial Hubble em que as galáxias não passam de pontos, não podemos deixar de pensar no poema de William Blake: “Veja o mundo num grão de areia,/ veja o céu num campo florido,/ guarde o infinito na palma da mão,/ e a eternidade em uma hora de vida!”

Trinh Xuan Thuan (o nome de família é Trinh, apesar de vir primeiro) é um astrofísico vietnamita que é professor na Universidade da Virgínia, nos Estados Unidos, e é investigador associado ao Instituto de Astrofísica de Paris. É ele o autor do livro A Vertigem do Cosmos, com o subtítulo Uma Breve História do Céu (piscando o olho a Stephen Hawking), que acaba de sair pelo Círculo de Leitores e pela Temas e Debates. É uma obra de popularização da astrofísica muito bem feita que relata como as observações e medidas do céu se foram ampliando ao longo do tempo e, com elas, o nosso entendimento do cosmos. Tal como o Universo, o nosso conhecimento está em expansão. 

Trinh nasceu em Hanói, em 1948 (recorde-se que um dos primeiros astrónomos no Vietname, então chamado Cochinchina, foi Christophoro Borri, um italiano contemporâneo de Galileu, que foi de Portugal e aqui voltou), e doutorou-se na Universidade de Princeton. É especialista em astronomia fora da nossa galáxia, em particular na origem das galáxias: identificou em imagens do Hubble a mais jovem galáxia até hoje conhecida. Publicou cerca de 15 livros desde 1988, quando saiu o que terá sido o seu maior êxito, A Melodia Secreta... e o Homem criou o Universo (Bizâncio, 2002), com tradução de Máximo Ferreira (eu costumo dizer que “o céu é o Máximo”). Em português existem ainda O Caos e a Harmonia: A Fabricação do Real (Terramar, 1999) e O Infinito na Palma da Mão: Budismo, Ciência e Salvação, com Matthieu Richard (Notícias, 2001). Ganhou em 2009 o Prémio Kalinga da UNESCO de divulgação científica e, em 2012, o Prix mondial Cino Del Duca do Institut de France, que reconhece autores cuja obra constitua uma mensagem de humanismo.

A primeira parte de A Vertigem do Cosmos, publicada no ano passado em Paris pela Flammarion (a editora fundada no séc. xix por um irmão de Camille Flammarion, um dos maiores divulgadores de ciência de sempre), de Paris, é uma história da astronomia global, como hoje se diz. Começa por falar do universo mágico e mítico do homem antigo para depois abordar a observação do céu no Egito, na Mesopotâmia, na Mesoamérica, na África, na Índia e na China. A origem asiática do autor ajuda a que exponha mitos e histórias que no Ocidente conhecemos mal. Passa depois a descrever o universo de Isaac Newton, ordenado por leis naturais, e o universo “estranho e maravilhoso” de Einstein, cuja teoria da relatividade é necessária para descrever os buracos negros, o Big Bang e as ondas gravitacionais recentemente descobertas (que já vêm no livro). 

O capítulo seguinte, “Na profundidade do espaço, um universo finito ou infinito?”, discute a infinidade do espaço. Já no capítulo sobre Newton Trinh tinha referido a cosmovisão de Nicolau Copérnico, em cuja obra maior, saída em 1543, o universo era fechado. Foi Giordano Bruno o primeiro a propor um universo infinito no seu livro Sobre o Infinito, o Universo e os Mundos (1584). Recordo o seu texto: “Existem incontáveis sóis; incontáveis terras giram em torno destes sóis de maneira semelhante à forma como os sete planetas giram em torno do nosso sol”. Foi queimado pela Inquisição em 1600, não por essa mas por outras heresias. Galileu escreveu em Diálogos sobre os Dois Principais Sistemas do Mundo (1632): “Que vamos fazer agora (…) com as estrelas fixas? Vamos dispersá-las nos imensos abismos do universo a diferentes distâncias de um qualquer ponto determinado, ou então vamos colocá-las sobre uma única superfície esfericamente esticada em redor do seu centro, estando então todas a uma distância igual desse centro? (…) Não sabeis que ainda não está decidido (e creio que continuará a sê-lo para ciência humana) se o universo é finito ou infinito?” A questão, para ele, era de natureza metafísica e não podia ser apreendida pela razão. Mas não arriscou pronunciar-se, por conhecer o destino que teve Bruno. Na esfera protestante, o astrónomo seu contemporâneo Johannes Kepler, embora concordando com Galileu em que a questão era metafísica, imaginava um universo finito pela simples razão de que a noite era escura: se o Universo fosse infinito e estivesse todo ele povoado de estrelas, haveria sempre luz. Trinh cita o escritor oitocentista Edgar Allan Poe que, no seu poema em prosa “Eureka” (1848), deu a explicação correta. Se a luz viaja a uma velocidade finita, a luz de infinitamente longe demoraria um tempo infinito a chegar. Hoje sabemos que, de além do horizonte observável, não vem qualquer luz. Portanto, o facto de a noite ser escura é uma prova da teoria do Big Bang. Conclui Trinh: “O universo de curvatura nula como o nosso pode ser finito ou infinito”. Não sabemos, portanto, se o nosso mundo é finito ou infinito. É, aliás, difícil distinguir um universo infinito de um universo finito que seja suficientemente grande. O astrofísico vietnamita encanta-nos com uma metáfora: “O universo, tal como uma mulher coquete que se recusa a revelar a sua idade, continua a esconder-nos a sua dimensão”. 

O autor fala depois do tempo e da “flecha do tempo”, da distinção entre passado e futuro, não se esquecendo de referir que, para além do tempo físico (o tempo marcado pelos relógios), há um tempo humano, psicológico, subjetivo. Há quem diga que o tempo não existe, que é uma pura construção mental. 

O livro termina com um capítulo intitulado “O sagrado e o profano”. O tema do sagrado é muito caro ao autor que, sendo confucionista, se declara fascinado com a ideia de Einstein (que, em larga medida, é a de Espinosa) segundo a qual Deus é o próprio mundo. Trinh tem procurado aprofundar as ligações entre ciência e religião: foi, por exemplo, fundador da Sociedade Internacional para a Ciência e a Religião. Para ele, como declara no título de uma das últimas secções, a espiritualidade é “companheira de caminhada da ciência”. 

Transcrevo a este propósito um parágrafo do final: “O desenvolvimento da ciência fez com que o espaço do homem moderno tenha perdido o seu caráter sagrado. Tornou-se profano. Mas foi também o homem de ciência que permitiu que o homem redescobrisse o sentido do sagrado, não venerando deuses personificados e construindo edifícios para sacralizar a Terra, mas ao redescobrir e determinar a sua antiga aliança com um cosmos que foi regulado de uma forma extremamente exata para o seu aparecimento. Ao revelar a sua interdependência com as estrelas e ao maravilhar-se perante a beleza, a harmonia e a unidade do cosmos”.

O profano ocupa hoje lugares que já foram do sagrado, como o céu. Mas o céu, seja ele finito ou infinito, continuou a deslumbrar-nos, a causar-nos vertigens à medida que a ciência ia avançando. Autores de ciência como Carl Sagan, Hubert Reeves e Trinh Xuan Thuan transmitem-nos um arrepio cósmico que tem algo de religioso. No profano - é essa a mensagem de Trinh - há algo de sagrado.

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×