26/10/20
 
 
Contágios também estão a aumentar entre os idosos

Contágios também estão a aumentar entre os idosos

Marta F. Reis 19/09/2020 13:09

Dez mortes num dia voltaram a fazer soar alarmes, mas há um dado que o pode ajudar a explicar. O grupo etário acima dos 80 anos é de novo o terceiro com maior incidência.

É entre jovens adultos na casa dos 20 e 30 anos que tem vindo a registar-se uma subida mais marcada dos casos de covid-19 no país, que o primeiro-ministro assumiu esta sexta-feira que na próxima semana poderão atingir o patamar dos mil casos por dia. A chegada da segunda onda é agora dada como certa por vários especialistas. O padrão, diferente do que aconteceu no início da epidemia, em que depressa começaram a ser atingidos os mais idosos, foi sublinhado esta semana pela Direção Geral da Saúde e dá maior margem de manobra no momento de desconfinar, reabrir escolas e manter o país a funcionar. Há no entanto indicadores que mostram que os contágios entre idosos também tem estado a aumentar. Desde o final de agosto, o número de novos casos registados semanalmente acima dos 70 anos de idade praticamente duplicou, acompanhando a subida de casos no país. 

A tendência poderá ajudar a explicar o aumento do número de mortes que se registou nos últimos dias – esta semana, voltaram a registar-se 10 mortes por covid-19 no espaço de 24 horas, o que não acontecia desde julho, com oito das vítimas com mais de 80 anos.  Para especialistas ouvidos pelo SOL, é importante reforçar a sensibilização entre a população mais idosa e cuidadores.

500 casos em idosos
Começando pelos dados, e analisando a informação disponibilizada pela Direção Geral da Saúde, verifica-se que na última semana de agosto, de segunda-feira a domingo, foram registados 2171 novos casos de covid-19 no país. Nessa semana, em que começou a notar-se uma aceleração da epidemia, foram reportados 284 novos casos de covid-19 em idosos com mais de 70 anos. Representavam então 13% dos novos casos registados no país. Na semana seguinte, de 31 de agosto a 6 de setembro, registaram-se 385 novos casos entre idosos acima dos 70 anos de idade (15% do total de casos). Já na semana passada, o número subiu para 486 casos (12% do total) e esta última semana, até ontem, registaram-se 375 novos casos acima dos 70 anos. Mantendo-se a atual tendência, poderão ser mais de 500 idosos dos principais grupos de risco diagnosticados no espaço de uma semana, um balanço que sugere que o número de mortes, que esta semana fez soar alarmes, tem tendência para manter-se ou até aumentar.

Óscar Felgueiras, investigador do departamento da Matemática da Universidade do Porto, que faz a modelação da epidemia de covid-19 em Portugal desde março, considera que esse aumento será «quase inevitável» e ajuda a analisar a evolução em função da incidência de novos casos a 14 dias por cada 100 mil habitantes de cada grupo etário. 

O gráfico (ao lado) mostra que a subida mais marcada dos casos tem acontecido nas faixas etárias dos 20 aos 29 e dos 30 aos 39 anos, onde se está agora acima do patamar que se atingiu em julho, quando a epidemia era dominada pelos casos na área metropolitana de Lisboa. Já os idosos acima dos 80 anos, no início do verão – marcado por surtos em lares e pelo caso de Reguengos de Monsaraz – eram o terceiro grupo etário com maior incidência.

Os casos diminuíram durante agosto e voltaram agora a subir para um patamar idêntico. Na faixa etária dos 70 aos 79 anos há também uma tendência de aumento, mas continua a ser a faixa etária com menos casos no país, seguindo-se as crianças dos zero aos nove. A próxima semana, em que poderá começar a ser visível algum impacto da abertura do ano letivo na transmissão da doença, permitirá perceber se há alterações neste grupo, mas notava-se também já um aumento dos casos jovens em idade escolar no final do período de férias. Um ponto de partida menos favorável para a prova dos nove do regresso às aulas presenciais de 1,2 milhões de alunos.

Proteger, proteger, proteger 
Pedro Simas, virologista do Instituto de Medicina Molecular de Lisboa, que tem chamado a atenção para a necessidade de proteger os grupos de risco numa altura em que os casos terão tendência a aumentar, considera que o atual patamar de casos é normal, sobretudo tendo em conta que não existe uma tendência idêntica de aumento de internamentos, mas sublinha que importa vigiar estes indicadores. «O vírus está a circular e podemos dizer que estamos ainda com números considerados baixos. Podemos ter mais casos entre grupos mais jovens se conseguimos proteger os grupos de risco», reforça. 

Simas chama a atenção para uma aspeto no gráfico: percebe-se que a subida de casos é mais acentuada na população em idade ativa e depois no grupo dos 80 anos, enquanto que na população entre os 60 e 79 anos a incidência não aumenta à mesma velocidade. Um sinal é positivo, outro dá uma pista: «Vermos uma subida semelhante à da população mais jovem na faixa etária dos 80 anos é preocupante. Sabemos que as pessoas com mais de 80 anos serão à partida mais dependentes, pelo que é preciso reforçar os cuidados em particular dos que são cuidadores», diz. Com maior circulação, o risco de ser infectado aumentará e a preocupação deve ser proteger os mais velhos, reforçando medidas com o distanciamento físico, o uso das máscara e a lavagem frequente das mãos.

O Governo reiterou ao longo da semana que também a resposta nos lares está a ser reforçada com a criação de brigadas distritais de intervenção rápida em lares que tenham casos e  uma nova  linha de apoio telefónico. «Se a doença se espalhar, serão os mais idosos a ser expostos», sublinhou ontem Marta Temido. 

O SOL procurou perceber junto da DGS se há informação sobre em que contextos estão a aumentar as infeções entre idosos, mas não teve resposta até à hora de fecho. Nos últimos meses, cerca de 40% das vítimas mortais da covid-19 em Portugal eram residentes em lares.  

 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×