26/9/20
 
 
Marta F. Reis 17/09/2020
Marta F. Reis
Sociedade

marta.reis@ionline.pt

A escola não devia ser exemplo?

O ensino presencial, comportando riscos, é essencial para tentar mitigar desigualdades que se acentuaram nos últimos meses. Infelizmente, continuam a ser perpetuadas.

Começam as aulas e, no meio de todos os receios, é preciso reconhecer o esforço que está a ser feito pelas escolas para tentar encaixar alunos, professores e regras de distanciamento, muitas vezes sem os meios e sem o espaço necessário.

Dos muitos relatos que temos ouvido, percebe-se que em muitos casos se tenta remediar, porque há obras que não estão prontas, porque há janelas que não abrem, porque implicaria muito mais recursos do que aqueles que estão disponíveis.

Entre as dificuldades que não são de agora e não se resolveriam rapidamente (mas poderiam ter sido mais bem previstas) e o otimismo da tutela há, no entanto, dois aspetos que me parecem infelizes neste recomeço.

O ensino presencial, comportando riscos, é essencial para tentar mitigar desigualdades que se acentuaram nos últimos meses. Infelizmente, continuam a ser perpetuadas. 

(...)

O segundo aspeto que colide com o que a escola também deve ser – exemplo – é a regra para os professores de risco, atirados para baixas porque não poderão estar em teletrabalho por decisão da tutela.

Leia o artigo completo na edição impressa do jornal i. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×