23/9/20
 
 
Nuno Valente. “2004 mudou a forma de os portugueses amarem a sua seleção!”

Nuno Valente. “2004 mudou a forma de os portugueses amarem a sua seleção!”

DR Afonso de Melo 14/09/2020 08:55

Nuno Valente tem memórias inesquecíveis do que se passou no Europeu organizado por Portugal. E não tem dúvidas:“Ficou provado que o povo português tem tudo para ser feliz!”.

Nuno foi o defesa-esquerdo da seleção portuguesa no Euro-2004, ultrapassando o mais velho Rui Jorge. Também ele guarda desse tempo memórias inultrapassáveis...

 

Euro 2004 – qual a primeira imagem que te vem à cabeça?

A primeira imagem que tenho de 2004 é a de um país profundamente unido e com uma química muito grande com a sua seleção nacional. O povo português conseguiu exprimir ao máximo todo o carinho que tinha pela equipa de futebol que o representava. Nunca mais serei capaz de esquecer o ambiente incrível que se vivia em nosso redor.


Foi dos momentos mais entusiasmantes que viveste em Portugal?

Até essa altura, sem dúvida! É verdade que também tínhamos tido aquela festa linda, em Lisboa, da final do Mundial de juniores. Foi absolutamente marcante e, ainda por cima, Portugal venceu. Em relação aoEuro-2004, acho que devemos acrescentar à beleza da festa, o orgulho por termos conseguido organizar um dos melhores torneios de todos os tempos. Nada faltou, apesar de sermos um país de apenas 10 milhões de pessoas. Demos uma imagem positiva de nós ao mundo inteiro, de tal forma que ainda hoje estamos a beneficiar dela. Tornámo-nos um ponto de referência para a organização de muitos eventos.


Viveste em Inglaterra – como era a visão deles por lá em relação ao que se passou aqui?

Fui para Inglaterra passado praticamente um ano após o Europeu. Claro que, para eles, absolutamente marcante foi o jogo dos quartos-de-final, no qual conseguimos eliminá-los. Quando falavam comigo sobre isso, recordavam que essa fora uma das melhores seleções da história de Portugal. Falavam da geração do Figo e do Rui Costa, que já vinha de trás, e sentiam que a Inglaterra que perdeu connosco também tinha qualidade para ter chegado mais longe ou ter ganho algo a nível internacional.

Leia o artigo completo na edição impressa do jornal i. Agora também pode receber o jornal em casa ou subscrever a nossa assinatura digital.

 

Ler Mais

Iniciar Sessão
Esqueceu-se da sua password?

×
×

Subscreva a Newsletter do i

×

Pesquise no i

×